Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Herói do 'Hotel Ruanda' admite em tribunal ter formado grupo armado

Paul Rusesabagina, o "herói" do filme 'Hotel Ruanda' que salvou mais de 1.200 pessoas no genocídio de 1994, admitiu hoje perante um tribunal em Kigali ter formado um grupo armado, mas negou ter participado nos seus crimes, relata a imprensa.

Herói do 'Hotel Ruanda' admite em tribunal ter formado grupo armado
Notícias ao Minuto

12:39 - 25/09/20 por Lusa

Mundo Paul Rusesabagina

"Formámos a FLN (Frente Nacional de Libertação) como uma ala armada, não como um grupo terrorista, como a acusação continua a afirmar. Não nego que a FLN tenha cometido crimes, mas o meu papel foi a diplomacia", disse Rusesabagina ao tribunal, citado pelo jornal "The Daily Telegraph".

O antigo agente tinha sido detido no mês passado no Dubai sob acusações de terrorismo, antes de ser extraditado para o Ruanda.

A juíza Dorothy Yankurije, do Tribunal de Kicukiro, em Kigali, ordenou recentemente que Paul Rusesabagina fosse detido provisoriamente durante vários dias para "assegurar que não sabotava as investigações em curso".

Dada a gravidade do caso, Dorothy Yankurije salientou que "existem motivos razoáveis para o manter sob custódia", em prisão preventiva.

O acusado tinha pedido fiança por estar doente e prometeu não fugir, embora o juiz tenha assegurado que a prisão não o impedia de receber tratamento médico.

Paul Rusesabagina, 66 anos, é um forte crítico do Presidente ruandês, Paul Kagamé.

O Ministério Público acusa-o, entre outros, de ter dado dinheiro às milícias das Forças de Libertação Nacional (FLN), a ala armada do Movimento Ruandês para a Mudança Democrática (MRCD), o partido que lidera.

A FLN tem sido responsável por ataques no Ruanda desde 2018.

No filme "Hotel Ruanda", Paulo Rusesabagina é apresentado como um hutu casado com uma mulher tutsi que salvou mais de 1.200 pessoas em 1994 no Hotel des Mille Collines, em Kigali, do qual foi o diretor, usando a sua influência junto das milícias hutu.

Cerca de 8.000 tutsis e hutus moderados foram mortos diariamente entre abril e junho de 1994 no Ruanda por membros da etnia hutu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório