Meteorologia

  • 16 JULHO 2020
Tempo
37º
MIN 25º MÁX 39º

Edição

Covid-19. EUA esgotam stock mundial de Remdesivir durante três meses

Os EUA compraram mais de 500 mil doses do fármaco que se mostrou eficaz no combate à Covid-19.

Covid-19. EUA esgotam stock mundial de Remdesivir durante três meses

Depois de a União Europeia ter recomendado a utilização do Remdesivir para os casos mais graves de Covid-19, os EUA compraram quase a totalidade do stock disponível do fármaco para os próximos três meses.

Vários especialistas têm-se mostrado preocupados com a decisão unilateral dos EUA, que compraram mais de 500 mil doses de Remdesivir, o que representa toda a produção do medicamento para julho e 90% de agosto e setembro.

Para além disso, o stock de 140 mil doses do fármaco produzido pela Gilead e utilizado em ensaios clínicos está prestes a esgotar-se.

Este cenário significa que os EUA "têm acesso à maior parte do suprimento do medicamento, então não resta nada para a Europa", como indicou Andrew Hill, investigador da Universidade de Liverpool, ao The Guardian.

O secretário de Estado norte-americano para a saúde, Alex Azarm, indicou recentemente que "Trump fez um acordo incrível para garantir que os americanos tenham acesso à primeira terapêutica autorizada para a Covid-19".

“Na medida do possível, queremos garantir que qualquer paciente americano que precise de Remdesivir possa obtê-lo. O governo Trump está a fazer tudo o que é possível para aprender mais sobre a terapêutica que salva vidas e garantir o acesso a essas opções ao povo americano", acrescentou ainda o governante.

Recorde-se que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, sigla inglesa) recomendou a aprovação, de forma condicional, do medicamento antiviral para o tratamento de doentes infetados pelo novo coronavírus na Europa.

A agência recomenda o uso deste medicamento em adultos e adolescentes com mais de 12 anos, com pneumonia e que precisem de suporte a nível respiratório.

Já no final de abril, havia o registo de dados positivos no que toca ao tratamento de pessoas infetadas com o novo coronavírus com este medicamento. Por esta altura, os cientistas verificaram que o uso do Remdesivir, um antiviral de uso hospitalar inicialmente projetado contra o Ebola, trazia benefícios claros para os pacientes, pelo que consideraram que era antiético não avançar com a experiência.

Nos Estados Unidos, a agência de medicamentos autorizou a 1 de maio a utilização do remdesivir nos hospitais, em casos graves, seguidos da Índia, Coreia do Sul e Japão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório