Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 4º MÁX 15º

Edição

Hirak argelino prossegue manifestações semanais apesar do coronavírus

Milhares de pessoas manifestaram hoje nas ruas de Argel contra o regime pela 56ª semana consecutiva do movimento 'Hirak' de protesto, que agita a Argélia há mais de um ano, apesar das restrições motivadas pela ameaça do coronavírus.

Hirak argelino prossegue manifestações semanais apesar do coronavírus
Notícias ao Minuto

18:21 - 13/03/20 por Lusa

Mundo Argélia

Apesar de menos numerosos que nas semanas anteriores mas com a mesma determinação, os manifestantes argelinos juntaram-se em torno da palavra de ordem "O coronavírus, não nos mete medo", referiu a agência noticiosa AFP.

Num dos cartazes erguidos no protesto lia-se "56.ª sexta-feira. O coronavírus não vai parar o povo de prosseguir a revolução pacífica até à libertação da Argélia".

No entanto, diversos militantes estão a colocar a questão, em particular nas redes sociais, sobre uma interrupção deste prolongado movimento de rebelião.

"O nosso 'Hirak' é sólido, não é uma 'trégua' para se proteger do vírus que ameaçará fazê-lo desaparecer. Sejamos responsáveis e tomemos as nossas precauções", considerou um internauta, também citado pela AFP.

A Argélia, onde já foram detetados 26 casos de infeção, registou na quinta-feira as duas primeiras mortes atribuídas à Covid-19.

Na terça-feira as autoridades decidiram anular todos os eventos políticos, culturais e desportivos para impedir a propagação da doença, mas os ativistas, militantes e populares desfilaram de novo hoje no centro de Argel sob forte vigilância policial, com todos os agentes munidos de máscaras de proteção.

"Não estamos imunes a um contágio mas isso não nos impedirá de prosseguir o nosso combate. Estou com uma máscara para me proteger", disse à AFP um médico de um hospital público.

Os desfiles do 'Hirak' também juntaram hoje milhares de pessoas em outras localidades do país, como em Oran e Mostaganem (noroeste), indicaram diversas redes sociais.

Os protestos voltaram a exigir a libertação das dezenas de presos por delito de opinião, já condenados ou que aguardam julgamento.

Na quarta-feira, um tribunal argelino condenou Karim Tabbou, uma destacada figura do 'Hirak', a um ano de prisão, com seis meses de prisão efetiva, ao ser acusado de "atentado à unidade nacional".

Hadj Ghermoul, outra voz da contestação, também começou a ser julgado na quarta-feira por um tribunal de Mascara (noroeste) e o procurador pediu 18 meses de prisão efetiva por ter difundido vídeos "que atentam ao interesse nacional", segundo referiu o Comité Nacional para a Libertação dos Detidos (CNLD).

Após ter forçado à demissão do Presidente Abdelaziz Bouteflika em abril de 2019, o 'Hirak' exige o fim do "sistema" que governa a Argélia desde a independência em 1962, com forte influência da hierarquia militar.

As marchas do 'Hirak' decorrem habitualmente todas as sextas-feiras -- e às terças-feiras para os estudantes -- mas recentemente surgiram apelos para manifestações também ao sábado.

No sábado passado uma tentativa de manifestação foi violentamente dispersa pela polícia em Argel, que também deteve diversos dirigentes do movimento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório