Meteorologia

  • 01 AGOSTO 2021
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Moçambique vive clima de cerceamento de liberdades, dizem ativistas

Ativistas dos direitos humanos consideraram hoje, em Maputo, que Moçambique vive atualmente um clima de cerceamento da liberdade e sinais de autoritarismo, defendendo uma mobilização geral para travar o que entendem ser uma regressão democrática.

Moçambique vive clima de cerceamento de liberdades, dizem ativistas

A análise à situação da democracia e dos direitos humanos em Moçambique decorreu no contexto da palestra "Novo autoritarismo, espaço cívico e defesa dos direitos humanos", proferida por Arnold Tsonga, presidente da Rede dos Defensores dos Direitos Humanos da África Austral.

A palestra realizou-se na sequência de um relatório da organização Freedom House, que refere que Moçambique registou em 2019 um declínio em termos de democracia.

Em declarações à Lusa, à margem da palestra, a diretora executiva da Nweti, organização da sociedade civil moçambicana, considerou que Moçambique está a conhecer nos últimos anos um ambiente de cerceamento de liberdades fundamentais.

"Essa regressão é o reflexo da sociedade em que nos encontramos, acompanhamos, numa base diária, episódios sistemáticos de cerceamento das liberdades e de violação dos direitos humanos", afirmou Denise Namburete.

O relatório da Freedom House, prosseguiu, capta o contexto de limitação dos direitos e liberdades fundamentais que Moçambique está a viver.

Por seu turno, o diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, disse à Lusa que o assassinato ou agressão a ativistas de defesa dos direitos humanos é um sinal de que as elites no poder sentem repulsa por valores fundamentais da democracia e preferem o autoritarismo.

"Vive-se um ambiente de medo generalizado que resulta do fechamento do espaço democrático, as pessoas estão assustadas, porque tem havido mortes e atentados contra ativistas sociais", declarou Nuvunga.

O diretor do CDD defendeu uma mobilização geral contra práticas atentatórias ao Estado de direito democrático para que Moçambique avance no respeito dos direitos e liberdades democráticas.

"São os moçambicanos que devem vigiar e combater as práticas antidemocráticas e não os doadores ou parceiros internacionais", declarou Adriano Nuvunga.

Na palestra, o diretor da Comissão Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), Luís Bitone, assinalou que o país tem recuado no respeito dos direitos humanos.

"Caminhámos a duas velocidades: no plano legal, somos um exemplo, porque temos legislação moderna, mas no plano prático, os instrumentos de defesa dos direitos humanos são letra morta", salientou Luís Bitone.

Bitone apontou a morte de ativistas bem como a violência armada no Centro e Norte como palcos de violação dos direitos humanos em Moçambique.

A análise da organização da Freedom House refere que Moçambique foi um dos países onde a democracia mais recuou no ano passado.

De acordo com o relatório "Freedom in the World 2020", os países com os maiores retrocessos e progressos em termos de liberdade e democracia no ano passado localizam-se todos em África.

"Benin, Moçambique e Tanzânia foram penalizados por eleições fraudulentas e a repressão de dissidentes por parte do Estado, enquanto o Sudão, Madagáscar e a Etiópia beneficiaram do progresso em matéria de reformas e de leis mais democráticas", adiantou o documento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório