Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Cinco mortos em protestos contra aumento dos combustíveis no Equador

Cinco civis, incluindo um líder indígena, morreram nos protestos nacionais no Equador pela retirada do subsídio de combustível e o anúncio de reformas económicas e laborais, indicou hoje uma organização nacional de defesa dos direitos humanos.

Cinco mortos em protestos contra aumento dos combustíveis no Equador
Notícias ao Minuto

18:12 - 10/10/19 por Lusa

Mundo Equador

Os dados são da 'Defensoría del Pueblo', uma instituição nacional de defesa dos direitos humanos, e dizem respeito a confrontos entres manifestantes e forças da ordem desde que os protestos começaram, há uma semana.

"A primeira vítima é um homem que foi esmagado no domingo na província de Azuay (sul). As outras quatro morreram em Quito [capital do Equador]", explicou uma fonte desta instituição.

Segundo esta organização, Inocencio Tucumbi, líder indígena da província de Cotopaxi, morreu durante a manifestação de quarta-feira em Quito. A causa de morte não foi especificada.

O anterior balanço apontava para um morto e 766 detenções.

"Pedimos ao Governo que acabe com a violência e garanta o direito de manifestar pacificamente", refere o comunicado da instituição.

De acordo com a Cruz Vermelha, as manifestações já provocaram pelo menos 122 feridos em uma semana.

Oito polícias foram entretanto retidos hoje por nativos equatorianos mobilizados em Quito, segundo a agência de notícias France-Presse,

Esses membros das forças policiais, sete homens e uma mulher, foram apresentados em público durante um encontro de manifestantes no norte da capital.

O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, vai tentar hoje retomar o diálogo com a comunidade indígena indignada, após a manifestação em Quito.

No início de outubro, o Governo adotou uma reforma que acabou com os subsídios aos combustíveis, o que aumentou os preços em mais de 100%, levando os manifestantes a exigir que seja revogada a medida.

Os protestos já levaram o Presidente do Equador, Lenín Moreno, a assinar um decreto de "estado de exceção" , na terça-feira, que restringe a liberdade de circulação das pessoas e a proibição de andarem na rua a determinadas horas e nas áreas próximas ao Governo e a instalações estratégicas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório