Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Clima frio fez mulher desenvolver esta erupção cutânea

A mulher reside em Nova Iorque.

Clima frio fez mulher desenvolver esta erupção cutânea

Os médicos nova-iorquinos depararam-se com uma situação incomum, depois de uma mulher de 70 anos ter procurado ajuda para diagnosticar e tratar uma erupção arroxeada que lhe percorria o corpo.

O caso foi publicado esta quinta-feira no New England Journal of Medicine (NEJM) e dá conta que Konika Sharma e Anush Patel do Bassett Medical Center em Cooperstown, Nova Iorque, abordaram o caso clínico desta paciente que os procurou com queixas de tonturas e erupções cutâneas. Duas semanas antes, a mulher tinha sofrido uma infeção viral do trato respiratório.

Inicialmente os médicos acharam que a condição era consistente com "livedo reticular" - uma patologia que faz com que a pele, normalmente nas pernas, fique manchada e roxa. Como explica a Fox News, o livedo reticular ocorre devido a espasmos dos vasos sanguíneos ou uma anormalidade da circulação perto da superfície da pele. E o clima frio pode desencadear a doença.

Depois de tirarem sangue à doente para ser analisado, os médicos perceberam que este se aglomerava dentro do frasco, um sinal de um distúrbio sanguíneo conhecido como Doença por Aglutininas a Frio. O Centro de Informações sobre Doenças Genéticas e Raras define a condição como um "tipo raro de anemia hemolítica auto-imune, na qual o sistema imunológico do corpo ataca, por engano, e destrói os seus próprios glóbulos vermelhos".

O sangue foi aquecido num banho de solução salina e voltou à textura normal. A mulher foi então diagnosticada com Doença por Aglutininas a Frio, que por vezes está associada a outras condições, como certas infeções bacterianas e virais, certos tipos de cancro e doenças autoimunes.

Neste caso concreto, o caso de Doença por Aglutininas a Frio pode ter sido exacerbada pela recente infeção viral associada ao clima frio que se fazia sentir no norte de Nova Iorque na altura.

A mulher foi então tratada com transfusões de sangue e fármacos, acabando por melhorar. Apesar de se sentir bem, a erupção cutânea só melhorou quando chegou o verão.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório