Meteorologia

  • 18 JUNHO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

Nicolás Maduro diz estar orgulhoso de diálogo com a oposição

O Presidente venezuelano declarou, na quarta-feira, estar orgulhoso desta fase de diálogo com a oposição e insistiu que ambas partes concordaram, em Oslo, serem "muito prudentes" sobre as negociações.

Nicolás Maduro diz estar orgulhoso de diálogo com a oposição

"Chegámos a um acordo para ser muito prudentes e respeitamos essa prudência (...) Estou orgulhoso da delegação que temos na Noruega e de estarmos em fase de diálogo construtivo com a oposição venezuelana (...) acredito que o caminho é a paz, o diálogo, o entendimento", disse Nicolás Maduro.

O chefe de Estado venezuelano falava durante uma intervenção transmitida pela televisão estatal venezuelana, durante a qual explicou que terminou o segundo encontro de diálogo com a oposição e que esteve em comunicação durante os três dias que durou.

"Custou muito chegar à Noruega. Tivemos vários meses de conversações secretas, prudentes, e devem continuar assim, prudentes. Foram vários meses até que há dez dias chegámos à Noruega", disse.

Maduro sublinhou ter o apoio "do povo chavista, revolucionário, bolivariano e das Forças Armadas Bolivarianas" para estes diálogos de paz.

"Tenho sondagens nas mãos, mais de 80% do povo da Venezuela apoia os diálogos de paz entre o governo bolivariano e a oposição (...) Apenas uma minoria apoia um golpe de Estado, só uma minoria está a pedir uma invasão 'gringa' [norte-americana]", acrescentou.

O Presidente da Venezuela sublinhou que "nem golpe nem invasão. Aqui, serão impostos a paz, o diálogo, a concórdia, a harmonia, o entendimento".

Por outro lado, Maduro agradeceu à Noruega pelos esforços para conseguir reunir o Governo e a oposição.

Pela segunda vez, no espaço de algumas semanas, as delegações dos dois campos reuniram-se para conversações destinadas a encontrar uma solução para a crise política que se prolonga há vários meses na Venezuela.

A crise política no país agravou-se em 23 de janeiro, quando o opositor Juan Guaidó jurou assumir as funções de Presidente interino, prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Na madrugada de 30 de abril, um grupo de militares manifestou apoio a Guaidó, que pediu à população para sair à rua e exigir uma mudança de regime, mas não houve desenvolvimentos na situação até ao momento.

Nicolás Maduro, de 56 anos e no poder desde 2013, denunciou as iniciativas do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderado por Washington.

À crise política na Venezuela soma-se uma grave crise económica e social, que já levou três milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, de acordo com dados das Nações Unidas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório