Meteorologia

  • 24 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 23º

Edição

Trump adia tarifas adicionais para as importações de automóveis

O Presidente dos EUA, Donald Trump, adiou hoje qualquer decisão de impor tarifas às importações de automóveis, invocando razões de segurança de Estado e para não aumentar a tensão na guerra comercial com a Europa e o Japão.

Trump adia tarifas adicionais para as importações de automóveis
Notícias ao Minuto

15:13 - 17/05/19 por Lusa

Mundo EUA

Donald Trump anunciou que vai adiar uma decisão sobre o incremento de taxas de importação no setor automóvel por um período de até seis meses, num comunicado enviado hoje pela Casa Branca.

Estas tarifas são particularmente temidas na Europa, especialmente na Alemanha, que é um forte exportador de automóveis para os EUA.

Com a decisão de adiamento, o Presidente norte-americano diz que quer proteger o setor estratégico automóvel e aliviar tensões nas negociações comerciais com os países europeus e com o Japão, que decorrem sob o pano de fundo de uma estratégia política protecionista por parte de Donald Trump.

"O secretário de Comércio (...) deve continuar as negociações dos acordos" e informará no prazo de 180 dias o Presidente dos EUA sobre os resultados das negociações, explica o comunicado.

Washington ressalta que um relatório apresentado pelo Departamento de Comércio em 17 de fevereiro destacou o facto de "a investigação e o desenvolvimento no setor automóvel serem críticos para a segurança nacional".

"A base industrial de defesa dos EUA depende do setor automóvel para o desenvolvimento de tecnologias essenciais para manter nossa superioridade militar", afirma o mesmo relatório.

O documento acrescentava ainda que "o aumento das importações de carros e de peças para automóveis deram às empresas estrangeiras uma vantagem competitiva sobre as empresas americanas nas últimas três décadas.

Perante este diagnóstico, o secretário de Comércio, Wilbur Ross, recomendou "tomar medidas para ajustar as importações de automóveis de modo a que não ameacem a segurança nacional".

Ross, no entanto, recomenda continuar as negociações para tentar chegar a acordos com os países envolvidos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório