Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 24º

Edição

Reitores de universidades brasileiras: Bloqueio orçamental atinge até 54%

A associação que representa os reitores das universidades federais brasileiras revelou na quinta-feira que a percentagem do bloqueio orçamental imposto pelo Ministério da Educação às universidades ultrapassa os 50%, segundo a imprensa local.

Reitores de universidades brasileiras: Bloqueio orçamental atinge até 54%
Notícias ao Minuto

06:43 - 17/05/19 por Lusa

Mundo Cortes na educação

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes) detalhou que o bloqueio de verbas sobre as despesas não obrigatórias das universidades varia entre 15,82%, como é o caso da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e 53,96%, na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

A média do bloqueio orçamental é de 29,74%, segundo a associação, citada pelo portal de notícias G1.

As despesas não obrigatórias abrangem gastos com contas de luz, água, telefone, pagamento de empresas terceirizadas, verbas para pesquisas e investigações, assim como investimento em obras e equipamentos.

O ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, afirmou na quinta-feira, na Câmara dos Deputados em Brasília, que está disposto a conversar com todos os parlamentares e reitores das universidades para tentarem chegar a um acordo quanto às contas das instituições de ensino federais.

Milhares de pessoas protestaram na quarta-feira nas ruas de mais de 170 cidades do Brasil contra o bloqueio de verbas destinadas às universidades e colégios públicos do país.

As manifestações ocorreram nas 27 capitais regionais do Brasil e também em pequenos municípios onde estudantes, professores e elementos de movimentos sociais foram às ruas para expressarem o seu descontentamento face ao anúncio de cativações de 30% nas verbas atribuídas às instituições de ensino mantidas pelo Governo central.

Esta foi a primeira demonstração pública de oposição ao Governo do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que tomou posse em 01 janeiro.

Em abril, o Ministério da Educação informou que iria cativar 30% das verbas atribuídas às instituições de ensino federais mas, depois, explicou que o congelamento seria de 24,84% nas chamadas despesas discricionárias, usadas para garantir o pagamento de despesas de manutenção como as contas de água e luz, por exemplo.

Nas universidades federais brasileiras, a cativação é de 1,7 mil milhões de reais (380 milhões de euros), o correspondente a 3,43% do orçamento dedicado a estas instituições, segundo o mesmo ministério.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório