Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 22º

Edição

Tripoli consegue travar avanço de forças do marechal líbio Khalifa Haftar

As milícias leais ao governo de união nacional líbio, estabelecido em Tripoli e reconhecido pela ONU, travaram hoje o avanço em direção à capital líbia das forças do marechal Khalifa Haftar, que controla o leste do país.

Tripoli consegue travar avanço de forças do marechal líbio Khalifa Haftar
Notícias ao Minuto

17:08 - 05/04/19 por Lusa

Mundo milícias leais

O relato é feito pela agência espanhola EFE, que cita várias fontes locais da área da segurança, e surge um dia depois do marechal Khalifa Haftar ter ordenado às suas forças do exército nacional líbio (ANL, na sigla em francês) que avançassem em direção a Tripoli e iniciassem uma "marcha vitoriosa" para "libertar as terras sob influência dos injustos".

Em resposta à ofensiva do marechal, o chefe do governo de união nacional líbio, Fayez al Serraj, autorizou bombardeamentos contra as tropas orientais e a cidade de Misrata e enviou apoio para as milícias de Tripoli.

Segundo as fontes citadas pela EFE, milicianos procedentes da cidade costeira de Zawiya conseguiram bloquear a progressão das forças de Khalifa Haftar perto de um posto de controlo localizado cerca de 30 quilómetros a oeste do centro de Tripoli, após uma troca de tiros.

Nos confrontos também participaram unidades da chamada "Força de Proteção de Tripoli", a maior milícia destacada na capital líbia, indicaram as mesmas fontes, que falaram sob a condição de anonimato.

Os confrontos aconteceram horas antes do secretário-geral da ONU, António Guterres, ter saído de Tripoli em direção às cidades no leste líbio Tobruk e Benghazi, esta última sede do governo controlado por Khalifa Haftar, um militar dissidente do regime de Muammar Kadhafi, que caiu em 2011.

António Guterres, que chegou na quarta-feira à Líbia numa visita surpresa, encontrou-se, entretanto, em Benghazi com Khalifa Haftar, indicou um responsável líbio com ligações ao ANL.

O responsável líbio, que também falou sob a condição de anonimato, não forneceu detalhes sobre o teor do encontro, mas antes de chegar a Benghazi o secretário-geral da ONU escreveu na rede social Twitter que o seu objetivo "continuava a ser o mesmo: evitar um confronto militar".

Na Líbia, país imerso num caos político e securitário há vários anos, duas autoridades disputam o poder: o governo de união nacional líbio, estabelecido em 2015 com sede em Tripoli, que é reconhecido pela comunidade internacional (incluindo pelas Nações Unidas), e uma autoridade paralela que exerce o poder no leste do país, com o apoio do marechal Haftar.

Os últimos acontecimentos, nomeadamente a decisão do marechal de avançar em direção a Tripoli, fazem temer uma espiral de violência neste país que enfrenta uma grave crise desde a queda de Kadhafi marcada por divisões e lutas de influência entre milícias e tribos.

Guterres está no território líbio com o propósito de se reunir com todas as autoridades e instar todas as fações a retomarem um plano de reconciliação promovido pela ONU.

Esse esforço irá passar também pela realização de uma "conferência nacional", promovida pela missão das Nações Unidas na Líbia de 14 a 16 de abril, que terá como objetivo preparar um roteiro para a estabilização do país.

A conferência, que está agendada para a cidade histórica de Ghadames (centro da Líbia), pretende abrir o caminho para uma possível solução política e tentar definir uma data para a realização de eleições parlamentares e presidenciais na Líbia.

Analistas locais e internacionais concordam que as hipóteses de um apaziguamento são pouco prováveis.

Os apelos à calma na Líbia têm sido intensificados nas últimas horas.

Um deles surgiu da União Europeia (UE), que alertou que a situação na Líbia pode ficar descontrolada.

"Estamos profundamente preocupados com a escalada militar que está em curso na Líbia e com a escalada retórica com um sério risco de levar a uma confrontação incontrolável", afirmou hoje a porta-voz da Comissão Europeia, Maja Kocijancic.

A porta-voz acrescentou que a UE "apela a todas as partes para recuarem imediatamente nesta situação de escalada e para cessarem todos os atos de provocação".

Perante este ambiente de tensão bélica, o Reino Unido pediu hoje uma reunião de emergência no Conselho de Segurança da ONU para a analisar a situação na Líbia, tema que será também abordado, na segunda-feira no Luxemburgo, pelos chefes da diplomacia europeus durante o Conselho de Negócios Estrangeiros da UE.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório