Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2018
Tempo
22º
MIN 20º MÁX 23º

Edição

Fez-se história em Singapura, mas há mais História por fazer

As dúvidas foram muitas, mas Donald Trump e Kim Jong-un cumpriram o prometido e reuniram-se mesmo. Para a história ficou desde logo a fotografia de um aperto de mão que já corre mundo. Mas havia mais História por fazer.

Fez-se história em Singapura, mas há mais História por fazer
Notícias ao Minuto

08:35 - 12/06/18 por Pedro Filipe Pina 

Mundo Cimeira

Foi coreografia diplomática. E bem executada para todo o mundo ver. Kim Jong-un e Donald Trump reuniram-se pela primeira vez com a promessa de fazer história, com um mundo inteiro a olhar atento. E foi isso mesmo que nos deram: coreografia diplomática, como atestam as várias imagens que documentam o encontro.

No final de uma cimeira que ocupou a manhã em Singapura (madrugada em Portugal), Kim Jong-un e Donald Trump assinaram "um importante e detalhado documento", que permitirá ao "mundo ver uma grande mudança"

Os primeiros detalhes do acordo firmado pelos dois líderes dão conta da intenção de Pyongyang abandonar o seu programa nuclear, rumo, portanto, à desnuclearização total, ao passo que os Estados Unidos pretendem garantir a proteção do regime de Kim Jong-un.

Falámos de história no primeiro parágrafo e teremos de  continuar exercício idêntico nos seguintes. Aliás, foi o próprio Trump a afirmar, em conferência de imprensa após a cimeira: "Preparamo-nos para escrever um novo capítulo entre as duas nações"

Pouco antes, os dois líderes, sentados lado a lado, assinavam, reiteramos, um documento que Trump descreveu como “histórico” e “abrangente”, enquanto Kim realçou que agora é o momento de “deixar o passado para trás”. Sim, é de história que se trata, apesar de ainda haver muito por desvendar, desde as palavras que pontuam o documento, à forma como se passa das palavras aos atos.

Ainda não é conhecido o conteúdo oficial do documento mas o final da cimeira trouxe-nos agradecimentos mútuos e palavras que apontam para um compromisso para uma relação pacífica. Os aplausos preencheram a sala à medida que os dois líderes saíam de cena.

Das expectativas elevadas, às que foram superadas

Ainda antes das primeiras palavras trocadas a dois, e perante as elevadas expectativas que o momento suscitava, tivemos direito a uma imagem que fez, mais uma vez, história: o Presidente dos Estados Unidos e o líder da Coreia do Norte deram um aperto de mão, perante as câmaras, e com as bandeiras dos dois países como pano de fundo.

Os dois líderes políticos tidos como imprevisíveis quiseram desde cedo mostrar sinais de aproximação. Afinal de contas, não era pequeno o tema em cima da mesa. Não era apenas a desnuclearização que seria discutida. Como pano de fundo havia todo um processo de paz à espera de acontecer. Antes de a cimeira terminar, Trump dava a entender que tinha “corrido melhor do que o esperado”. Palavras que repetiu orgulhoso no final.

A longa caminhada até Singapura

Há apenas meio ano, o que hoje aconteceu em Singapura era impensável. Chegou-se, aliás, a temer o pior.

Durante meses, houve sanções a colocar a Coreia do Norte sob pressão e trocas de ‘galhardetes’ entre Kim e Trump que incluíram até ameaças nucleares. Por momentos, o mundo chegou a suster a respiração. Mas 2018, mesmo com avanços e recuos até chegarmos aqui, trazia-nos já alguns sinais positivos.

Kim Jong-un já tinha dado sinais de que era capaz de agir de forma diferente, comparativamente com o seu pai e avô, que o antecederam no cargo. Mas foi só com os Jogos Olímpicos na vizinha Coreia do Sul, em fevereiro, que percebemos que havia algo a mudar.

As duas Coreias – que nunca terminaram formalmente a guerra na península – chegaram a ter uma equipa conjunta na competição. E a aproximação manteve-se até abril, altura de outra cimeira histórica, esta juntando os líderes das duas Coreias.

Não há como negá-lo: sobram incertezas sobre qualquer acordo com um regime fechado sobre si mesmo, com décadas de história de repressão violenta contra os dissidentes. Ainda no ano passado o regime foi suspeito do assassinato do irmão de Kim Jong-un.

Ainda assim, o líder da Coreia do Norte parece capaz de marcar desde já algumas diferenças no seu país. E não falamos apenas do que mostrou para o mundo. Na Coreia do Norte, onde a informação é controlada ao detalhe, não costuma haver grandes informações sobre encontros ainda a decorrer. Mas a imprensa estatal publicava hoje, ainda antes da cimeira, imagens do curioso passeio turístico que o líder deu em Singapura.

Com tudo o que separa os dois países – e os respetivos líderes – havia aqui algo em comum: a importância de uma vitória para mostrar aos seus.

Do outro lado da mesa ia estar um autoproclamado mestre da negociação. Que Trump tinha historial com negócios nas suas empresas, ninguém o negava. Mas o desafio agora era outro: conseguir, no tabuleiro da geopolítica mundial, algo que nenhum líder norte-americano conseguira antes dele: um compromisso com a Coreia do Norte.

É aqui que surge o documento assinado em conjunto: a coreografia diplomática não é composta apenas pelos estudados passos do protocolo. Faz-se também dos resultados que há para mostrar. E Kim e Trump fizeram por isso.

A cimeira que fica para a história

Após o aperto de mão, a cimeira prosseguiu com uma primeira reunião: durante cerca de 45 minutos, Kim e Trump falaram a sós, contando apenas com a companhia de tradutores.

Terminada esta fase, a mesa manteve-se mas ficou mais composta com elementos de ambas as comitivas a juntarem-se. A reunião prosseguiu até à hora de almoço, hora essa que não foi de pausa mas de almoço de trabalho.

No final da refeição, e repetindo o que já estava a ser histórico, Kim e Trump surgiram em caminhada juntos, reforçando que queriam tirar algo positivo deste encontro.

Trump, habituado à imprensa e vindo de uma cimeira do G7 onde ficou isolado, com críticas claras de líderes de países aliados, como Angela Merkel e Justin Trudeau, não queria deixar escapar esta oportunidade. E não deixou. Esta cimeira é já o ponto alto do seu ano e meio de presidência.

Sentados lado a lado, os dois líderes assinaram o tal documento histórico. Falta agora saber como é que a história, ainda com ‘h’ pequeno, se torna História. História de paz. Uma barreira fortemente vigiada mantém há décadas as duas Coreias divididas sob o olhar atento das forças armadas norte-americanas.

Essa linha de separação ainda lá está e não mudou um milímetro. Mas parece claramente mais pequena quando olhada após o final desta cimeira.

Os dois líderes têm agora novos passos a dar no sentido da paz. E é bem possível que Trump esteja já a preparar-se para nova coreografia diplomática. Uma que terá como palco Washington.

No final da conferência, e já com os líderes de saída, uma pergunta chegou até Trump: “Vai convidar Kim para a Casa Branca?”. “Absolutamente”, respondeu Trump. A história (ou será História?) segue dentro de momentos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório