Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Suíços rejeitam que Banco Nacional seja o único a fabricar moeda

Os suíços rejeitaram hoje em referendo uma iniciativa popular que dava ao Banco Nacional da Suíça (BNS) poderes plenos e exclusivos de fabrico de moeda, e que, segundo os defensores da proposta, garantia a estabilidade financeira do país.

Suíços rejeitam que Banco Nacional seja o único a fabricar moeda
Notícias ao Minuto

16:24 - 10/06/18 por Lusa

Mundo Genebra

A proposta foi recusada de forma clara, com 75 por cento de votos contra, segundo as últimas previsões oficiais, noticia a agência de notícias espanhola Efe.

A iniciativa implicava uma reforma radical do atual sistema monetário suíço, em que o BNS emite notas e moedas que representam apenas 10% da massa monetária em circulação.

O restante dinheiro designa-se como "escritural", já que existe apenas a nível contabilístico e de forma eletrónica numa conta bancária.

Os bancos comerciais vão criando esse dinheiro através dos créditos que aprovam, quer a empresas, quer a particulares, em vez de utilizarem o dinheiro dos depósitos.

O referendo tinha sido proposto por um comité que incluía personalidades de diferentes formações - economistas, especialistas financeiros, docentes e grupos sindicais -, que conseguiu reunir as 100.000 assinaturas necessárias para que fosse convocado.

Os defensores da iniciativa pretendiam acabar com o sistema existente, substituindo-o por outro que, defendiam, protege melhor o dinheiro dos clientes dos bancos e previne novas crises financeiras.

Face ao fracasso do referendo, um dos coordenadores nacionais da campanha pelo "Sim", Jean-Marc Heim, considerou que apesar da derrota a iniciativa permitiu generalizar um amplo debate e "despertar consciências" na população sobre o poder que os bancos comerciais têm graças à capacidade de fabricarem moeda.

"Não abandonaremos o combate", assegurou, acrescentando que os que lideraram o referendo sobre este tema continuarão a trabalhar por uma reforma do sistema bancário e pela regulamentação das criptomoedas.

No que respeita aos defensores do "Não", a iniciativa aglutinou amplos setores políticos e económicos, que consideravam que a iniciativa enfraquecia os bancos e acarretava custos suplementares que acabariam por ser pagos pelos clientes.

Sustentavam ainda que dar capacidade plena e exclusiva de produção de moeda ao Banco Nacional da Suíça ameaçava a independência da instituição.

Para o deputado de direita liberal-radical Olivier Feller (PLR/VD), copresidente do comité contra o referendo, o "povo não quis que a Suíça se convertesse num laboratório de experiências em matéria de política monetária".

O Governo suíço opôs-se, desde o início, a esta mudança pelo impacto que tinha na atividade comercial dos bancos, um setor do qual dependem 5,6% do emprego e 9,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório