Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2017
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Nunca desvalorize os escaldões, o melanoma mata

Em Portugal surgem cerca de 900 novos casos de melanoma por ano, apresentando uma taxa de mortalidade de 4,5%. Estima-se que a tendência seja para aumentar e muito graças à desvalorização de escaldões na pele.

Nunca desvalorize os escaldões, o melanoma mata
Notícias ao Minuto

08:42 - 23/08/17 por Vânia Marinho

Lifestyle Entrevista

Grande parte dos portugueses aproveita as férias de verão para ir para praias e piscinas, fazendo da exposição solar uma constante durante esses dias. Sem os cuidados necessários – evitar a exposição solar nas horas de maior calor e aplicar sempre protetor solar fator 30 ou mais várias vezes ao dia – o risco de apanhar escaldões aumenta, tal como o risco de desenvolver cancro de pele.

O melanoma é o tipo de cancro de pele mais mortal, atingindo cerca de 900 portugueses todos os anos e tendo uma taxa de mortalidade de 4,5%. Para saber mais sobre este tipo de cancro e sobre os riscos da exposição solar o Lifestyle ao Minuto falou com a Dra. Ana Raimundo, oncologista no Instituto CUF Oncologia, no Hospital CUF Infante Santo.

O que é que faz com que o melanoma seja um cancro muito mais mortal do que os restantes cancros da pele?

É um tumor diferente dos outros tumores cutâneos. Origina-se nos melanócitos, que são as células responsáveis pelo pigmento da melanina, e não nas outras células da parte mais superficial da pele. É um cancro que é mais agressivo e que tem maior tendência para metastizar mais rapidamente e mais frequentemente do que os outros tumores. Pode disseminar-se para órgãos como o cérebro, os pulmões e o fígado. Tem um comportamento biológico mais agressivo, em comparação com os carcinomas basocelulares, que tendem a ser tumores mais localizados.

Quais são os principais sintomas e sinais de melanoma a que se deve estar atento?

Se um sinal se alterar – um crescimento rápido, ficar mais assimétrico, tiver alterações da cor - começar a dar sintomas como comichão, dor, hemorragia, deve-se recorrer a um dermatologista porque pode haver a necessidade de remover esse sinal.

Qualquer lesão mais escura ou mais rosada que cresça rapidamente também pode indicar melanoma e deve ser vista por um especialista. Nem todos os melanomas são escuros, alguns são mais rosados, assemelhando-se a uns nódulos rosados.

Qualquer lesão que surja e cresça rapidamente deve ser alvo de atenção.

Quando é que as pessoas devem ir ao dermatologista?

As pessoas que tenham muitos sinais devem ir ao dermatologista pelo menos uma vez por ano, para que os sinais possam ser fotografados e vigiados. De acordo com os sinais e com aquilo que observa o dermatologista também irá recomendar a periodicidade mais indicada das consultas.

As pessoas que praticamente não têm sinais devem apenas estar atentas à sua pele, fazendo uma autovigilância mais ou menos de dois em dois meses. Em toda a pele, se verificarem algum dos sinais de alerta devem recorrer ao médico.

Há novidades em termos de tratamento para o melanoma?

Nos últimos anos têm surgido novos dados sobre o tratamento, mas é mais para o melanoma avançado, que não é candidato a cirurgia ou que está disseminado para outros órgãos. Observou-se o desenvolvimento da imunoterapia, que vai estimular o sistema imunitário do próprio organismo a reconhecer as células do melanoma como estranhas e a destrui-las. Estimula os linfócitos T, as células do sistema imunitário mais responsáveis pela defesa contra as células tumorais, a reconhecerem e a destruírem as células do melanoma.

Este tratamento atua sobre umas proteínas que existem à superfície dos linfócitos T e estimula a sua proliferação e a sua atuação. Assim consegue-se controlar uma percentagem significativa da doença e dá geralmente respostas de longa duração. Portanto, os doentes que respondem ao tratamento ficam realmente com o controlo da doença durante meses e mesmo anos.

Outra novidade são as terapêuticas alvo, que são medicamentos que atuam dentro das células tumorais e bloqueiam a proliferação das células de melanoma. Atuam sobre as células de melanoma que têm uma mutação.

Em Portugal qual é a percentagem de melanomas que é encontrada na fase inicial e qual a que é encontrada em fase avançada?

A maior parte dos melanomas é diagnosticada numa fase mais inicial. Cerca de 20% será diagnosticado numa fase avançada. Aqueles que são tratados com cirurgia numa fase inicial depois, dependendo do estadio, poderão realmente recorrer e progredir, mas inicialmente só 20% é que são diagnosticados em estadio avançado.

Os casos mais avançados geralmente têm indicação para tratamento sistémico, para atuar sobre os vários órgãos.

Sendo Portugal um país com um tempo melhor em comparação com outros como a Inglaterra, os portugueses têm um maior risco de melanoma?

Apesar de ter um tempo melhor do que outros países, em termos de incidência, Portugal não tem uma maior incidência de melanoma. A tendência do melanoma é para aumentar [o aumento das taxas de incidência do melanoma é estimado em 4 a 7% a cada ano, resultando numa duplicação da incidência global do melanoma a cada 15 a 20 anos] e para que isso não aconteça é necessário que a população reconheça os fatores de risco, nomeadamente a exposição ao sol, e tome as medidas de precaução.

Quais são as medidas que recomenda?

As queimaduras solares representam um fator de risco, devem ser evitadas a todo o custo. É preciso aplicar protetor solar com fator 30 ou mais, não se devendo expor ao sol nas horas de maior intensidade – entre as 11h e as 16h – e devem renovar a aplicação de protetor solar de duas em duas horas e a seguir ao banho.

As crianças com menos de um ano não se devem expor ao sol na praia como muitas vezes se vê, porque as queimaduras solares podem ter efeitos mais nefastos e aumentam a probabilidade de desenvolver melanoma na idade adulta.

As crianças um pouco mais velhas podem ir à praia desde que protegidas com roupa, protetor solar e chapéu de sol e só até às 11h ou depois 16h30. E mesmo quando estão morenas convém aplicar protetor solar e ter os mesmos cuidados.

Mas quem tem a pele mais clara tem mais riscos?

Quem tem pele mais clara tem maior risco de melanoma e outros cancros de pele porque tem um maior risco de sofrer queimaduras solares do que as pessoas de pele morena.

Não sei se está a par de uma polémica que surgiu quando a Carolina Patrocínio partilhou fotos da filha com a pele morena de um tom muito escuro. Este é um tom de alerta ou é normal?

Esse tom de pele significa que apanhou muito sol. O tom de moreno indica que apanhou sol a mais e a pele protegeu-se ficando dessa cor, se calhar não devia ter apanhado tanto sol.

Mas quando é que os pais percebem que a criança já está morena demais?

Os pais devem aplicar sempre protetor solar 30 ou mais nos filhos todos os dias e repô-lo de duas em duas horas enquanto estão na praia ou na piscina. Com certeza que se fizerem isso sempre a pele não ficará dessa cor, porque está sempre protegida. Pode ficar com um bocadinho mais de cor, mas nunca atingirá esse tom de moreno. Não quero entrar em polémicas, mas se se aplicar o protetor solar todos os dias e como está indicado, a pele não atinge esse tom.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório