Meteorologia

  • 21 JUNHO 2024
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 24º

Nova esperança contra cancro pode estar num medicamento 'renegado'

Trata-se da talidomida, um fármaco usado na década de 50 como sedativo e comprimido para dormir que esteve também associado a casos de malformações em crianças.

Nova esperança contra cancro pode estar num medicamento 'renegado'
Notícias ao Minuto

08:10 - 21/05/24 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Cancro

Na década de 50, a talidomida era bastante usada como sedativo e comprimido para dormir. Esteva também associado a casos de malformações em crianças, daí ter sido algo 'rejeitado' e 'renegado'. Contudo, um novo estudo da Goethe University, na Alemanha, refere que pode ser uma nova solução para o tratamento do cancro.

Segundo o 'website' Research in German, trata-se de um fármaco que pode inibir o crescimento de vasos sanguíneos e interromper o fornecimento de nutrientes a tumores.

Leia Também: Prever cancro sete anos antes? Novo estudo aponta caminho

Numa investigação publicada este mês de maio, mostrou-se promissor no tratamento de tumores malignos da medula óssea.

"Agora sabemos que a talidomida é o que chamamos de 'cola molecular'. Significa que é capaz de pegar em duas proteínas e juntá-las. Isto é especialmente interessante porque uma destas proteínas é uma espécie de 'rotulador'", revela Xinlai Cheng, da Goethe University, ao agregador de blogues HuffPost.

O estudo foi realizado em moscas da fruta. O cientista revela que mais estudos precisam de ser feitos. "Embora demonstrem que as moléculas modificadas da talidomida têm grande potencial terapêutico, ainda não podemos dizer se serão realmente demonstradas na prática em algum momento."

Leia Também: Nova esperança contra cancro da mama? Estudo apresenta avanços

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório