Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 18º

Fazer exercício ajuda a viver durante mais tempo? Talvez não, diz estudo

Investigadores, na Finlândia, analisaram os hábitos de exercício e a idade biológica de milhares de pessoas.

Fazer exercício ajuda a viver durante mais tempo? Talvez não, diz estudo
Notícias ao Minuto

10:23 - 07/12/23 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Saúde

Durante muito tempo, acreditou-se que o 'segredo' para a longevidade inclui fazer exercício regularmente, mas um novo estudo, feito na Universidade de Jyvaskyla, na Finlândia, sugere que ser demasiado ativo não prolonga, necessariamente, a vida.

Leia Também: Fazer este exercício ajuda a fortalecer todos os músculos (em minutos)

Para chegarem a esta conclusão, os cientistas analisaram mais de 11 mil gémeos, com idades entre os 18 e os 50 anos, no início do estudo, acompanhados de 1975 a 2020.

Todos responderam a um questionário sobre os níveis de atividade física que os classificou como sedentários (13,4%), moderadamente ativos (36,7%), ativos (38,7%) ou muito ativos (11,2%). Foram ainda recolhidas amostras de sangue para acompanhar o envelhecimento biológico de cada um, ou seja, o ritmo a que uma pessoa está a envelhecer fisicamente.

Com estas informações, os resultados mostram que as pessoas moderadamente ativas, ativas ou muito ativas tinham entre 15 a 23% menos probabilidades de morrer durante os 45 anos do estudo do que as sedentárias.

Depois de terem em conta fatores como o IMC (índice de massa corporal), o tabagismo e o consumo de álcool, registaram apenas uma redução de 7% nas mortes entre o grupo ativo, em comparação com o grupo sedentário, explicam os cientistas, citados no DailyMail. 

Leia Também: O exercício que deve fazer todos os dias. Nem vai acreditar nas vantagens

Já a análise ao sangue mostrou que no geral os indivíduos que faziam menos exercício "tinham a idade biológica mais avançada", algo que também foi confirmado nas pessoas que faziam mais exercício. Aliás, mais especificamente, "os mais ativos eram 1,3 anos biologicamente mais velhos do que os moderadamente ativos e 1,8 anos mais velhos do que os ativos".

Tendo isto em conta, os investigadores sugeriram que, em vez de níveis elevados de exercício reduzirem o risco de morte prematura, a atividade física serve apenas como um indicador de um estilo de vida globalmente saudável.

É importante mencionar que os resultados foram disponibilizados na medRxiv, mas ainda não foram submetidos a revisão de pares, mesmo assim, o estudo ganhou um prémio de medicina desportiva, na Finlândia, esta semana, segundo o jornal. 

Leia Também: O treino perfeito para tonificar a barriga e eliminar gorduras

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório