Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 20º

Alteração paradigmática de atividade física mudou hábitos

É o que diz o professor catedrático Luís Bettencourt Sardinha.

Alteração paradigmática de atividade física mudou hábitos
Notícias ao Minuto

12:43 - 06/04/23 por Lusa

Lifestyle Saúde

Portugal atravessou "alteração de paradigma" no urbanismo e na forma de ver a atividade física e desportiva, que leva muitos adultos a usarem os espaços para fruição por desporto ou lazer, segundo o professor catedrático Luís Bettencourt Sardinha.

"Houve e tem havido uma alteração paradigmática da norma social" durante os últimos 20 anos, garante à Lusa o professor catedrático, que coordenou um consórcio que analisou, com recurso a tecnologia, a atividade física dos portugueses em 2008 e 2018.

Este estudo mostra que em 2018 cerca de 71,2% dos adultos portugueses cumpre as recomendações definidas em 2020 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o que contraria os 73% que o Eurobarómetro de finais de 2022 diz não fazerem qualquer atividade, ou "quase nunca".

Leia Também: Faz assim tão mal treinar em jejum? Toda a verdade

Os números foram obtidos por fenotipagem digital e definem 150 minutos de atividade física como valor médio semanal, estudados em 2008 e 2018 em mais de seis mil pessoas por um consórcio que agrega a Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, Universidade do Porto, Universidade de Coimbra, Universidade de Évora e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Para assentar uma ideia mais diversa em termos geográficos, o investigador lembra dois exemplos, como um caminho pedonal marítimo em Espinho, no qual encontra, em qualquer final de dia, "dezenas ou centenas de pessoas, uns a caminhar e outros a correr".

Leia Também: Só precisa de 45 segundos para fazer estes exercícios em casa

"Fui treinador de voleibol muitos anos, ia muito a Espinho. Lembro-me da vida que se fazia. As pessoas iam para o café. Houve aqui um trabalho, e deve ser realçado. Nos últimos 20 anos, houve uma alteração da norma social relativamente à atitude quanto ao desporto de lazer, atividade física de lazer. Onde estavam as pessoas antes desse passadiço? No café", concretiza.

O mesmo se passa, exemplifica, no passeio marítimo de Oeiras, no distrito de Lisboa, e Bettencourt Sardinha realça o papel "dos municípios" em Portugal, em criar e requalificar estes espaços para que as pessoas possam ter "mais prazer na atividade física" e tirá-las de casa.

Leia Também: Se bebe água com limão todas as manhãs, este artigo é para si

"Naturalmente, queremos, e tem de haver, políticas dedicadas aos jovens, aos adultos. Eu diria até assim de forma talvez até mais objetiva: políticas centradas nas escolas, com o transporte ativo. Porque não políticas de 'design' urbanístico? Hoje vivemos numa era ecológica, a quarta era. As pessoas não fazem só porque faz bem à saúde. É porque têm espaço para fazer e conviver com os outros. Se calhar, políticas no âmbito dos cuidados de saúde", sugere.

O professor catedrático lembra também a necessidade de "políticas de comunicação", seja na ideia de que o desporto e a recriação física é para todos, seja na mudança de hábitos no local de trabalho. "Cada vez mais, em alguns países, em vez de estarem sentadas todos os dias, [as pessoas empregam] a utilização de secretárias de altura variável, com interrupções do comportamento sedentário", reforça.

Leia Também: Receita de sumo de tomate para conseguir um corpo escultural até ao verão

Programas comunitários são outra das sugestões apontadas, "essencialmente crítico para as pessoas mais velhas", que tenham menos autonomia e se sintam melhor em grupo, com "confiança no que estão a fazer".

"Um adulto de 40 anos pega em si e vai correr, vai caminhar. Uma pessoa de 70 ou 75 anos também o pode fazer, mas há uma necessidade de alguma interação social. É preciso programas comunitários, que por esse país fora são disponibilizados pelos municípios", lembra.

Leia Também: 4 dicas (de ouro) para uma maratona de sucesso

Esta fruição, reforça, mostra que Portugal "está numa circunstância similar a outros países" no que toca à atividade física, o que os dados comprovam. "Há uns anos, com os dados de 2008, quando comparámos Portugal com Inglaterra, Noruega e Suécia, (...) em termos médios, sobre adultos e idosos, vemos que 62% dos portugueses cumpriu com as recomendações", comenta.

Em Inglaterra, este valor descia aos 54%, na Noruega era de 69% e na Suécia de 64%, o que prova que um "sistema de monitorização fiável e avançado" pode melhorar as comparações e evitar 'sentenças' demasiado duras, mesmo que estes valores possam ser melhorados, diz.

Leia Também: Obesidade é "verdadeira pandemia, particularmente alarmante em Portugal"

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório