Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Alzheimer: Medicamento experimental pode retardar declínio cognitivo

A Eisai, farmacêutica japonesa, afirma que o seu medicamento experimental ajuda a retardar o declínio cognitivo, em pacientes nas fases iniciais da doença.

Alzheimer: Medicamento experimental pode retardar declínio cognitivo
Notícias ao Minuto

08:20 - 28/09/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Alzheimer

Está, neste momento, a ser testado um medicamento experimental, chamado 'lecanemab', cujo objetivo é ajudar pacientes diagnosticados com Alzheimer. É um trabalho da Eisai, farmacêutica japonesa, e recentemente foram divulgados resultados positivos. 

O medicamento, que está na terceira fase de testes, conseguiu retardar, em 27%, o declínio cognitivo, após 18 meses, em pacientes nas fases inicias da Alzheimer. Os resultados foram anunciados pela farmacêutica, no entanto, ainda não foram submetidos a revisão de pares. 

Leia Também: Afinal, Alzheimer pode desenvolver-se por esta razão

Esta novidade pode ser uma nova esperança para pessoas diagnosticadas com esta doença, após o lançamento falhado do 'aduhelm', um medicamento desenvolvido pela Biogen, farmacêutica americana, diz o canal NBC News. 

Agora, a Biogen fez uma parceria com a Eisai para a comercialização do novo medicamento, no entanto, foi a farmacêutica japonesa que liderou o seu desenvolvimento, assim como a terceira fase de testes. 

Apesar desta novidade ser uma boa notícia, especialistas independentes pediram cautela na interpretação destes resultados, explica a NBC News. 

Em declarações ao canal, Ronald Petersen, neurologista da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, afirma que esta novidade é "um primeiro passo na direção de causar um impacto significativo na doença". 

Já Alberto Espay, neurologista da Faculdade de Medicina da Universidade de Cincinnati, também nos Estados Unidos, disse que o benefício foi "pequeno" e pode não ser significativo para as pessoas com esta doença. Ainda assim, "os pacientes podem ver isto com um otimismo cauteloso", acrescenta. 

Leia Também: Bê-à-bá do Alzheimer. 10 perguntas e respostas sobre a doença

Para conseguir estes resultados, participaram nos testes 1.795 pessoas, que aleatoriamente receberam o medicamento ou placebo, a cada duas semanas, ao longo de 18 meses.

"O declínio cognitivo foi medido usando uma escala de classificação clínica de demência que se concentrou em seis áreas: memória, orientação e resolução de problemas, assuntos da comunidade, lar e hobbies e cuidados pessoais", explica a NBC News.

Quando revelou estes resultados, a Eisai anunciou que vai apresentar tudo o que foi concluído, nesta fase de testes, numa conferência sobre Alzheimer, no final de novembro. A farmacêutica está ainda a planear enviar os dados do estudo à Food and Drug Administration, entidade reguladora americana, para aprovação até março.

Leia Também: Alzheimer. "É fundamental aumentar o conhecimento sobre os números"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório