Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2022
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 24º

Bê-à-bá do Alzheimer. 10 perguntas e respostas sobre a doença

O Lifestyle ao Minuto preparou um guia com tudo o que precisa de saber sobre a forma mais comum de demência.

Bê-à-bá do Alzheimer. 10 perguntas e respostas sobre a doença
Notícias ao Minuto

08:21 - 21/09/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Dia Mundial da Doença de Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, sem cura, que tem vindo a registar um aumento exponencial no número de casos. De causa incerta, afeta mais de 30 milhões de pessoas em todo mundo, principalmente numa idade avançada. 

A propósito do Dia Mundial da Doença de Alzheimer, que se assinala esta quarta-feira, 21 de setembro, o Lifestyle ao Minuto preparou um guia de perguntas e respostas sobre Alzheimer, a forma mais comum de demência (termo genérico utilizado para designar um conjunto de doenças que se caracterizam por alterações cognitivas que podem estar associadas a perda de memória, alterações da linguagem e desorientação no tempo ou no espaço). Ora espreite:

Leia Também: Muitos casos de demência podiam ser evitados desta forma

1- O que é a doença de Alzheimer?

Segundo a associação Alzheimer Portugal, trata-se de "um tipo de demência que provoca uma deterioração global, progressiva e irreversível de diversas funções cognitivas (memória, atenção, concentração, linguagem, pensamento, entre outras)". Esta deterioração, acrescenta, "tem como consequências alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida diária".

2- Quanto sofrem desta patologia? 

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que mais de 55 milhões de pessoas em todo mundo sofrem de demência, sendo a doença de Alzheimer a forma mais comum. Representa 60 a 70% dos casos de demência, ou seja, afeta de 30 milhões de pessoas. A OMS prevê o número de pessoas com demência triplique até 2050.

3- Quais as causas?

"Não existem causas conhecidas para a doença de Alzheimer. A investigação não oferece ainda respostas para perceber o aparecimento da doença, mas a idade (acima de 65 anos) está associada a grande número dos casos de doença de Alzheimer esporádica. A exceção diz respeito ao tipo da doença de Alzheimer Familiar que tem origem pela existência de um progenitor que apresente uma mutação dos genes", pode ler-se no portal do grupo Lusíadas. 

4- Quais são os fatores de risco?

O Hospital da Luz refere que o principal é a idade. Ainda assim, outros fatores de risco vascular, como hipertensão arterial, dislipidemia, tabagismo, obesidade e diabetes, aumentam a probabilidade de vir a desenvolver a doença.

Leia Também: Andar este número de passos por dia reduz risco de demência

5- Como prevenir?

Uma dieta variada e saudável e permanecer mental e socialmente ativo pode reduzir o risco da doença.

6- Que sintomas apresenta?

A rede de saúde CUF indica que, "à perda de memória vão-se juntando lentamente outros sintomas característicos", como dificuldade em reconhecer pessoas, discurso mais pobre e entrecortado à procura de palavras, orientação em espaços fica cada vez mais difícil, alterações do comportamento, "sendo frequentes as alucinações visuais e a atividade delirante (o doente achar que o roubam ou perseguem)", resultando em agitação e agressividade. 

7- Que consequências acarreta?

A pessoa deixa de viver de forma autónoma, tendo que ser ajudada em tarefas antes realizadas de forma natural, como cozinhar, vestir-se, lavar-se, lidar com eletrodomésticos ou dinheiro.

8- Como é feito o diagnóstico?

"Uma avaliação clínica, suportada pela observação e por exames físicos, laboratoriais e neurológicos, permite o diagnóstico da doença", diz o grupo Lusíadas.

Leia Também: Bebidas (aparentemente inofensivas) disparam risco de AVC e demência

9- Há cura?

Não há cura conhecida para a doença de Alzheimer, já que a morte das células cerebrais não pode ser revertida.

10- Em que consiste o tratamento?

Existem intervenções terapêuticas que melhoram a vida dos doentes e facilitam o controlo da demência, incluindo "o controlo de outras patologias concomitantes, a terapia ocupacional, o envolvimento em grupos e serviços de apoio e a terapêutica medicamentosa, ou seja, fármacos que podem reduzir os sintomas e ajudar a melhorar a qualidade de vida dos pacientes - inibidores da colinesterase (donepezilo, rivastigmina, tacrina) e memantina", aponta a CUF.

Leia Também: Demência. Diagnóstico não é "vaticínio de tragédia", diz especialista

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório