Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 22º

Descoberta substância que evita agravamento da doença de Parkinson em 60%

Testes mostraram que a estrutura AG-490 preveniu 60% da morte de células cerebrais em camundongos que haviam sido injetados com 6-hidroxidopamina, um tipo de composto que simula os sintomas da doença de Parkinson.

Descoberta substância que evita agravamento da doença de Parkinson em 60%
Notícias ao Minuto

10:02 - 21/04/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Parkinson

Um estudo divulgado na publicação científica Molecular Neurobiology e citado pela revista Galileu, revela que em testes realizados em laboratório o componente preveniu 60% da morte de células neuronais em roedores.

O novo estudo foi realizado por investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), em colaboração com investigadores do Instituto de Química da USP, no Brasil, e da Universidade de Toronto, no Canadá.

Leia Também: Exercício físico pode evitar ou atrasar aparecimento de Parkinson

A doença de Parkinson leva à degeneração ou morte prematura das células no cérebro, impossibilitando a produção do neurotransmissor dopamina. Este défice afeta o sistema motor, resultando em sintomas como tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, problemas de fala, alterações gastrointestinais, respiratórias e até do foro psiquiátrico.

Para efeitos daquela pesquisa, explica a revista Galileu, os investigadores realizaram testes com camundongos injetados com 6-hidroxidopamina, composto que simula os efeitos da doença degenerativa do cérebro.

Tanto na substância negra quanto no estriado foi detetado um número mais elevado de células cerebrais e menos danos comportamentais com a administração da AG-490.

"Os camundongos que não receberam a substância apresentaram um resultado 70% pior nos testes comportamentais", disse o professor e coordenador Luiz Roberto G. Britto, num comunicado emitido à imprensa. 

De acordo com Britto, ao bloquear o TRPM2, a degeneração de neurónios diminuiu significativamente, sobretudo nas zonas do cérebro onde essas células são mortas pela doença. Adicionalmente, o fenómeno ocorreu onde os neurónios realizam contatos sinápticos, isto é troca de informações, contribuindo para a contenção da dopamina.

Conforme conta o professor, o Parkinson mata as células cerebrais devido a causas como disfunções metabólicas, acumulação anormal de proteínas e ainda o aumento na atividade dos canais de entrada de cálcio. Ora, tal foi impedido parcialmente pela AG-490.

Leia Também: Covid-19 desencadeia Parkinson? Cientistas explicam

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório