Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 27º

Edição

Anticorpos da estirpe original do coronavírus não se ligam a variantes

Um estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que os anticorpos contra a estirpe original do SARS-CoV-2, detetada em 2019 em Wuhan, na China, não se associam à proteína espícula das novas variantes virais, recentemente identificadas um pouco por todo o mundo.

Anticorpos da estirpe original do coronavírus não se ligam a variantes

As pessoas infetadas com a estirpe original do vírus que causa a Covid-19 no início da pandemia produziram uma resposta consistente de anticorpos, fazendo assim com que dois grupos principais de anticorpos se ligassem à proteína espícula ('spike') na superfície exterior do vírus.

No entanto, esses anticorpos não se ligam bem às variantes mais recentes, revela um novo estudo da Universidade de Illinois Urbana-Champaign, nos Estados Unidos, conforme explica um artigo publicado no site daquela instituição de ensino superior. 

Caracterizar que tipos de anticorpos o corpo apresenta uma maior probabilidade de produzir para combater uma infeção natural é um elemento chave quando se trata de formular uma vacina totalmente eficaz, disse o líder do estudo e professor de bioquímica Nicholas Wu. Ele e uma equipa de investigadores divulgaram as suas conclusões na revista Nature Communications.

Leia Também: Quadros graves de Covid-19 são causados por ataque de autoanticorpos

"A resposta dos anticorpos é bastante relevante para tudo, desde a compreensão da infeção natural, a como nos recuperamos da infeção até ao design da vacina. O corpo tem a capacidade de produzir respostas de anticorpos diversas - estima-se que poderíamos produzir um trilião de anticorpos diferentes. Então, quando vemos que as pessoas estão a produzir anticorpos bastante semelhantes a um vírus em particular, chamamos esse processo de resposta convergente de anticorpos", partilhou Wu.

"Tal significa que podemos projetar vacinas tentando obter esse tipo de resposta de anticorpos, e isso provavelmente vai melhorar a capacidade de resposta de mais indivíduos à vacina", acrescentou. 

Ora, de acordo com os investigadores, o facto do tipo de anticorpos produzidos por pessoas infetadas no começo da pandemia não se ligar às estirpes recentes é uma fonte de preocupação.

"Isso, é claro, aumenta a preocupação do vírus evoluir para escapar da principal resposta de anticorpos do organismo", referiu o professor. 

Segundo a pesquisa, os dados apurados destacam a capacidade das novas estirpes reinfectarem pessoas que contraíram versões anteriores do vírus. O que por sua vez pode sabotar a eficácia da vacinação e os planos de tomas de doses de reforço. Ainda assim, e como o corpo humano produz anticorpos para muitas partes do coronavírus, não apenas contra a proteína espículas, é possível que alguns ainda possam ser eficazes contra determinadas estirpes. 

Wu refere que o próximo passo é estudar a resposta imune tendo como foco a variante Delta (B.1.617.2), detetada originalmente na Índia - de modo a entender que tipo de resposta esta produz e como difere da versão inicial do coronavírus.

Leia Também: Estudo: 19% das pessoas com mais de 65 anos nunca desenvolvem anticorpos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório