Meteorologia

  • 16 SETEMBRO 2019
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Três problemas de saúde (fatais) que podem afetar as pessoas mais altas

Segundo um estudo publicado no periódico científico Lancet Diabetes & Endocrinology, a cada 7,5 cm de altura a mais de uma pessoa, o risco desta morrer de cancro aumenta em 4%.

Três problemas de saúde (fatais) que podem afetar as pessoas mais altas
Notícias ao Minuto

08:00 - 12/09/19 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Pessoas altas

Para muitos a altura importa - tanto para os homens como para as mulheres.

Ao mesmo tempo, a estatura é um dado biológico simples sobre o qual praticamente não temos controle nem podemos mudar. Mas, afinal trata-se de algo que pode influenciar o nosso destino de maneiras inimagináveis - sobretudo quando o assunto é saúde. 

A BBC News divulgou três problemas de saúde que podem afetar as pessoas mais altas (e uma vantagem):

1. Coágulos

O tromboembolismo venoso é uma das principais causas de morte por ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral. A condição ocorre quando se formam coágulos nas veias, principalmente nas dos membros inferiores, podendo chegar ao pulmão e causar embolia ou até mesmo impedir a correta circulação sanguínea.

Um estudo sueco procurou entender se existe uma relação entre o problema com a estatura. Os cientistas analisaram mais de dois milhões de pessoas e apuraram que quem tem menos de 1,60 m de altura possui 65% menos probabilidade de desenvolver o tromboembolismo venoso, comparativamente a quem tem mais de 1,88 m.

Existem dois motivos que podem influenciar esses resultados: o facto de que pessoas mais altas possuem veias mais compridas, ou seja, têm mais áreas possíveis para a formação de coágulos. Outro motivo tem a ver com a gravidade, já que o aumento da pressão nessa área das pernas pode acarretar um fluxo sanguíneo mais lento.

2. Cancro

Segundo um estudo publicado na Lancet Diabetes & Endocrinology, a cada 7,5 cm de altura a mais de uma pessoa, o risco desta morrer de cancro aumenta em 4%. Pensa-se que tal se deva sobretudo à alimentação, já que um corpo maior exige mais alimento, e uma dieta pouco saudável pode aumentar o risco de mutações nas células que geram tumores.

Outra possibilidade tem a ver com o próprio tamanho dos órgãos dos indivíduos altos: por serem maiores do que o resto da população, possuem igualmente mais células e consequentemente mais chances de crescerem desordenadamente. Nos homens altos, o risco maior é de cancro da próstata, enquanto que as mulheres são mais vulneráveis a tumores na mama, na pele e nos ovários.

3. Fibrilação atrial

Um estudo publicado em abril mostrou que as mulheres mais altas apresentam um risco três vezes mais elevado de sofrerem de fibrilação – um dos tipos mais comuns de arritmia cardíaca.

Apesar de se tratar de uma condição grave, o estudo não apontou para uma possível maior mortalidade das mulheres. Acredita-se que o tamanho de todo o corpo, inclusive da cavidade torácica, influencie as batidas irregulares do coração, que por ser maior do que o normal sofre pressão de outros órgãos, como os pulmões.

Diabetes e doenças cardíacas contrariam a 'regra'

Não temos apenas más notícias. De acordo com uma pesquisa publicada na revista Lancet, as pessoas mais altas tendem a morrer menos de diabetes e de doenças relacionadas ao sistema cardiovascular. Isso acontece porque têm pulmões e corações maiores e mais fortes. Sem contar que a má nutrição já apontada pode fazer com que as hormonas preventivas sejam libertadas com maior intensidade, ajudando a equilibrar a quantidade de açúcar no sangue.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório