Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Cientistas criam teste de ADN capaz de prever quando vai morrer

Num futuro próximo, os cientistas acreditam que os testes possam estar disponíveis à venda em farmácias por cerca de 170 euros.

Cientistas criam teste de ADN capaz de prever quando vai morrer

Uma equipa de cientistas escoceses desenvolveu um simples teste de ADN capaz de prever a probabilidade de um individuo viver até uma idade avançada ou morrer precocemente.

O teste analisa o efeito de variações genéticas na esperança média de vida, e foi desenvolvido por um grupo de investigadores da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

Num futuro próximo, os cientistas creem que os simples testes que analisam a saliva dos indivíduos possam estar disponíveis por cerca de 170 euros.

Ao realizarem o teste, as pessoas que pontuarem entre o topo dos 10% podem esperar viver cinco anos a mais, comparativamente aqueles que fiquem entre os 10% mais baixos.

Os especialistas do Instituto Usher, na Universidade de Edimburgo, examinaram dados genéticos provenientes de mais de 500 mil indivíduos, assim como dados acerca da esperança de vida dos pais desses voluntários.

E identificaram 12 áreas chave do genoma humano que impactam significativamente na longevidade, incluindo cinco pontos que ainda não haviam sido reportados antes.

Os académicos concluíram que as áreas de ADN com maior impacto na longevidade eram aquelas que haviam sido previamente associadas à incidência de doenças fatais, incluindo patologias cardíacas e condições relacionadas com o consumo de tabaco.

Peter Joshi, um dos coordenadores do estudo, disse em declarações ao The Telegraph: "Se tivermos em consideração 100 pessoas no momento do seu nascimento, ou mais tarde, e usarmos a nossa longevidade para os dividir-mos em 10 grupos, o grupo de topo irá viver em média cinco anos a mais do que o inferior”.

Os cientistas garantem que pretendem ainda identificar os genes que influenciam diretamente o quão rapidamente as pessoas envelhecem.

Se esses genes existirem , os seus efeitos foram demasiado ténues para serem detetados neste estudo, disseram os académicos.

Paul Timmers, um estudante de doutoramento naquele instituto, acrescentou: “Apurámos que os genes que afetam o cérebro e o coração são responsáveis pela grande maioria das variações na longevidade”.

A pesquisa inovadora foi publicada no periódico científico eLife.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório