Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2017
Tempo
21º
MIN 21º MÁX 21º

Edição

Preços "devoram" salário de venezuelanos que tentam esticar salário

A constante subida de preços dos produtos na Venezuela está a "devorar" o salário dos venezuelanos que são obrigados a fazerem "milagres" com as contas, para "fazer render" o dinheiro e conseguir os produtos para levar diariamente à mesa.

Preços "devoram" salário de venezuelanos que tentam esticar salário
Notícias ao Minuto

15:50 - 17/09/17 por Lusa

Economia Crise Venezuela

"Além de ter que estar em filas para conseguir pão, arroz, farinha de milho e outros produtos que escasseiam rapidamente, temos também que fazer milagres, fazer render o dinheiro, porque os preços dos produtos devoram rapidamente o salário", disse Yesenia Aponte à Agência Lusa.

Às portas de um supermercado em Chacao, esta venezuelana de 27 anos, casada e mãe de uma criança, sublinhou que os trabalhadores na Venezuela recebem o salário dividido por quinzena mas que "num abrir e fechar de olhos, com a compra de alguns produtos, as receitas esfumam-se".

"Em casa entram dois salários mínimos por mês, o meu e o do meu marido, ou seja 325.544 bolívares (aproximadamente 25 euros) quinzenais. Um pacote de meio quilo de Cerelac para a miúda custa mais de 30 mil bolívares (2,22 euros), o mesmo que custa uma caixa de ovos, pelo que só na compra destes dois produtos vão 20% do salário", explicou.

Por outro lado, Alfonzo Córdoba queixou-se do preço da massa que ronda os 25.000 bolívares (1,85 euros) cada quilograma, da lata de atum pequena que ronda os 7.000 bolívares (0.52 euros) e de que um café custa mais de 4.000 bolívares (0,30 euros).

"Agora até começou a aparecer macarrões em pacotes de 250 gramas, porque as pessoas não podem comprar mais com o que ganham e por isso toda a gente está emagrecendo. Dizem que os preços estão equiparados aos custos internacionais, mas ganhámos uma miséria, porque a moeda desvaloriza-se constantemente", disse.

Profissional da construção civil, este venezuelano de 50 anos, diz nunca ter vivido "um momento tão difícil" e sustenta que "os políticos estão acabando com tudo, oferecem prosperidade e qualidade de vida, mas terminam impulsionando a pobreza e obrigando as pessoas a dependerem da bolsinha de produtos subsidiados que o partido distribui".

"Supõe-se que nos supermercados estatais as coisas seriam mais baratas, mas o que mais se consegue são cartazes políticos e às vezes uma que outra coisa ligeiramente mais barata", disse.

Adela Martínez, de 55 anos, recusa ter o "cartão da pátria", promovido pelo Presidente Nicolás Maduro, para ter acesso a alguns serviços e bens subsidiados.

"O meu documento de identidade é a 'cédula' (BI) e será assim enquanto Deus me ajudar. Eu trabalho, não tenho tempo para fazer filas e agora até isso nos querem impor", frisou.

A venezuelana queixa-se de falhas na distribuição de produtos à população e explicou que na Venezuela para comprar produtos básicos é necessário colocar o dedo num leitor de impressões digitais.

Segundo Adela Martínez "antes, no tempo do capitalismo, acabava o creme de dentes e em qualquer lado se conseguia, agora um creme é de tamanho mais pequeno, é difícil de conseguir e custa 18.000 bolívares (1,33 euros)", disse.

"Cada vez que anunciam um aumento do salário, sinto que sobe a tensão e uma angústia grande, porque praticamente tudo duplica de preço. Este deve ser o único país onde as pessoas não ficam contentes quando lhes aumentam o salário", concluiu.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório