Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
27º
MIN 16º MÁX 29º

Sindicatos da UGT rejeitam proposta de aumento de 2,1 % do BCP

Os sindicatos do setor bancário da UGT anunciaram hoje que "rejeitaram liminarmente a proposta" de aumentos de 2,125% do BCP, considerando que a administração não reconhece devidamente os trabalhadores em ano de fortes resultados.

Sindicatos da UGT rejeitam proposta de aumento de 2,1 % do BCP
Notícias ao Minuto

13:28 - 26/02/24 por Lusa

Economia BCP

"Em vésperas de apresentar resultados históricos, o BCP propõe aumentos salariais de 2,125% aos trabalhadores. Mais [Sindicato], SBC e SBN ficaram estupefactos -- e obviamente rejeitaram liminarmente a proposta", referem os três sindicatos em comunicado hoje divulgado.

No documento assinado pelas direções do Mais Sindicato, SBN - Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal e SBC - Sindicato dos Bancários do Centro, as três organizações acusam a administração do BCP de ser "mais um banco" em que não é reconhecido "o empenho e o esforço dos seus trabalhadores".

Mais Sindicato, SBN e SBC referem que no passado dia 23, sexta-feira, a instituição liderada por Miguel Maya propôs um aumento de 2,125% nas tabelas e cláusulas de expressão pecuniária e um valor diário de 13,50 euros para o subsídio de alimentação.

A proposta, em resposta à revindicação de 6%, foi recebida pelos sindicatos afetos à UGT com "estupefação, que quase chegou à vontade de chorar", remetendo para os resultados relativos a 2023, que são apresentados hoje.

"Mais [Sindicato), SBC e SBN não podiam deixar de repudiar a proposta do BCP, não só em função dos resultados atingidos, mas, e fundamentalmente, porque o banco parece ter esquecido que em tempos extremamente difíceis foram os seus trabalhadores leais e empenhados que 'salvaram o banco', quando em 2014 foi necessário cortar salários para garantir postos de trabalho", acrescentam.

Dizendo que compreendem a necessidade de partilha de lucros pelos acionistas, os três sindicatos defendem que essa partilha "deve ser feita também com os seus trabalhadores".

"A negociação exige boa-fé e uma proposta desta natureza está longe desse princípio", acrescentam, dizendo que esperam que o BCP reveja a sua posição e que "apresente uma proposta justa".

Na sexta-feira, já o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) tinha anunciado a rejeição da mesma proposta, que considerou insuficiente.

O SNQTB tinha apresentado ao BCP uma proposta de atualização de 5,8% para 2024 e de 4,3% para 2025 na tabela salarial, pensões de reforma e de sobrevivência e demais cláusulas com expressão pecuniária.

Para o sindicato, esta é uma contraproposta "manifestamente insuficiente, que não compensa devidamente os trabalhadores do BCP, no ativo e reformados".

"Convidamos o BCP a repensar e a reformular a sua posição negocial, aproximando-se de uma atualização dos salários e das pensões que se enquadre verdadeiramente no contexto inflacionista que se vive em Portugal, mas que reflita também os seus resultados operacionais", afirmou o presidente do sindicato, Paulo Gonçalves Marcos, citado em comunicado.

Para 2023, sindicatos e bancos alcançaram um acordo de 4,5%, acima dos 2,5% inicialmente propostos pelo setor.

Leia Também: Segurança Social? Partidos concordam com diversificação do financiamento

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório