Meteorologia

  • 29 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 11º MÁX 16º

Linhas da UNIR em Matosinhos e Maia com numeração antiga provisoriamente

As linhas da nova rede de autocarros da Área Metropolitana do Porto (AMP) UNIR que circularão em Matosinhos e na Maia a partir de sexta-feira vão manter a numeração antiga provisoriamente, de acordo com os horários hoje divulgados.

Linhas da UNIR em Matosinhos e Maia com numeração antiga provisoriamente
Notícias ao Minuto

15:27 - 30/11/23 por Lusa

Economia autocarros

Segundo os horários hoje publicados no 'site' da UNIR, as linhas previstas para os concelhos da Maia e Matosinhos, parte do lote 1 (Norte Centro: Maia/Matosinhos/Trofa) da nova rede, vão manter os números atuais da rede Maia Transportes e Maré, respetivamente.

Segundo a informação prestada pela UNIR, a oferta de horários hoje divulgada está "em vigor provisoriamente" quanto aos concelhos da Maia e Matosinhos, mas o outro concelho abrangido pelo lote 1, a Trofa, já verá a nova rede implementada com a nova numeração, com o código do concelho 63XX.

Na Maia, são apenas exceções a linha 6001 e 6002 (Frejufe - Maia), que arrancam já com a nova numeração.

Na sexta-feira, entra em operação a UNIR, cuja rede e respetiva imagem irá substituir os serviços efetuados pelos cerca de 30 operadores privados rodoviários na AMP, como por exemplo a Caima, AV Feirense, Transdev, UT Carvalhos, Gondomarense, Pacense, Arriva, Maré, Landim, Valpi, Litoral Norte, Souto, MGC, Seluve, Espírito Santo, entre outros.

A rede da UNIR utilizará quatro dígitos para identificar as linhas, seguindo uma lógica de atribuição por concelho, e contará com autocarros azuis, brancos e pretos em toda a AMP.

Toda a rede utilizará o sistema de bilhética Andante, e acaba com um modelo de concessão linha a linha herdado de 1948, já que o concurso público foi dividido em cinco lotes, ainda que todos operem sob a mesma marca UNIR.

Quanto às paragens, de acordo com o manual de imagem da UNIR, a que a Lusa teve acesso, as indicações de linhas nos postes terão uma configuração semelhante às da STCP, com identificação da zona Andante, nome e código da paragem, número das linhas e destinos e, tal como sucede também na STCP, nas paragens também estarão afixados os horários previstos de passagens das linhas.

A AMP vai desembolsar um total de 311,6 milhões de euros ao longo de sete anos no âmbito da nova rede de transportes públicos rodoviários, segundo os contratos.

O lote mais caro foi o Norte Nascente (Santo Tirso/Valongo/Paredes/Gondomar), adjudicado pela AMP à Nex Continental Holdings (conhecida como Alsa) por 93,5 milhões de euros, seguindo-se o Norte Centro (Maia/Matosinhos/Trofa), adjudicado à Vianorbus (consórcio Barraqueiro e Resende) por 82,3 milhões de euros.

Na tabela segue-se o lote Sul Poente (Vila Nova de Gaia e Espinho), adjudicado à Transportes Beira Douro (da Auto Viação Feirense) por 59,8 milhões de euros, o Sul Nascente (Santa Maria da Feira/São João da Madeira/Arouca/Oliveira de Azeméis/Vale de Cambra), adjudicado à Xerbus (Xerpa Mobility e Monbus) por 41,9 milhões de euros, e o Norte Poente (Póvoa de Varzim/Vila do Conde), adjudicado à Porto Mobilidade (consórcio Transdev, Auto Viação do Minho e Litoral Norte) por 34,1 milhões de euros.

Leia Também: Sem apoios transportes públicos ficam em risco, garante ANTROP

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório