Meteorologia

  • 23 MAIO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 22º

Edição

Nova Agenda quer qualificar comércio de rua

O Governo vai lançar um programa de incentivos dirigido ao comércio e à restauração de proximidade, que terá como objetivo apoiar projetos conjuntos de qualificação comercial e que poderá envolver a qualificação de ruas.

Nova Agenda quer qualificar comércio de rua
Notícias ao Minuto

15:26 - 30/06/14 por Lusa

Economia Governo

O anúncio foi hoje feito pelo ministro da Economia, Pires de Lima, e pelo Secretário de Estado-Adjunto e da Economia, Leonardo Mathias, durante a apresentação da nova Agenda para a Competitividade do Comércio, Serviços e Restauração 2014-2020, em Lisboa.

"O nosso objetivo é apoiar a qualificação e modernização dos centros urbanos, através da oferta de estabelecimentos de comércio, serviços e restauração de proximidade", indicou o secretário de Estado, Leonardo Mathias, explicando que esses apoios serão atribuídos tanto nas cidades como nos meios rurais.

Quanto às candidaturas, Leonardo Mathias anunciou que o caderno de encargos deverá ser conhecido em setembro, quando se conhecerem mais em pormenor as regras desta nova medida.

Estes novos apoios deverão estar ligados a uma nova fase do programa Comércio Investe -- Sistema de Incentivos ao Investimento, que irá disponibilizar um total de 40 milhões de euros para a modernização de estabelecimentos comerciais e de zonas urbanas, sendo 20 milhões para apoios e os outros 20 milhões para uma linha de crédito.

O lançamento destes incentivos a projetos conjuntos de qualificação comercial faz parte de um grupo de 36 medidas, distribuídas por cinco eixos estratégicos, que formam a nova Agenda para a Competitividade do Comércio, Serviços e Restauração, em vigor até 2020.

A criação de um novo Conselho para o Comércio, Serviços e Restauração foi outra das medidas hoje divulgadas, para entrar em vigor no segundo semestre de 2014, e tem como objetivo monitorizar estes setores através de uma parceria entre associações, confederações, universidades, consumidores e empresas.

Pires de Lima admitiu que o documento da nova agenda, que ficará hoje disponível na Internet, "não tem uma natureza fiscal", mas sublinhou que o objetivo é apoiar as exportações, o consumo privado e o investimento. "Estes três motores são essenciais para consolidar este momento de recuperação económica", salientou.

Entre as medidas hoje anunciadas figuram também a revisão da Lei da Publicidade, o lançamento do livro de reclamações eletrónico, este no segundo semestre de 2014, e o alargamento dos instrumentos de apoio à promoção e internacionalização de empresas.

Os dois governantes informaram ainda que está em cima da mesa a criação de uma linha específica para o setor da restauração, dentro das que já existem, e de uma linha de financiamento para capitalização dos restaurantes e de estabelecimentos similares.

Em cima da mesa estão várias metas definidas até 2020, entre as quais o aumento de pessoal ao serviço na restauração e bebidas de 220.654 trabalhadores (2013) para 250 mil a 253 mil, e também a subida do peso das exportações de serviços dos atuais 10,5% para 14% no final deste período.

Pires de Lima lembrou também que a nova agenda enquadra-se na revisão legislativa para estes setores, que inclui a revisão da Lei da Publicidade e a atualização do Regime Jurídico de Acesso às Profissões de Acesso e Exercício de Atividades de Comércio, Serviços e Restauração, este último já aprovado em Conselho de Ministros mas ainda para seguir para a Assembleia da República.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório