Meteorologia

  • 24 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 15º

CCP disponível para rever aumentos salariais do acordo de rendimentos

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) manifestou abertura para rever em alta os referenciais de aumentos salariais e do salário mínimo para 2024 previstos no acordo de rendimentos, se o Governo aliviar a carga fiscal.

CCP disponível para rever aumentos salariais do acordo de rendimentos
Notícias ao Minuto

21:26 - 30/09/23 por Lusa

Economia Salários

"Estamos abertos a discutir esses pontos", disse o presidente da CCP, João Vieira Lopes, que também é o atual porta-voz do Conselho Nacional das Confederações Patronais (CNCP), em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.

O acordo de rendimentos assinado há cerca de um ano na Concertação Social entre o Governo, as confederações patronais e a UGT prevê aumentos salariais de 4,8% em 2024 e a subida do salário mínimo nacional dos atuais 760 euros para 810 euros.

A disponibilidade manifestada pela CCP depende, contudo, da abertura do Governo para analisar as propostas apresentadas pelas confederações patronais para reduzir a carga fiscal.

"Se não baixarmos a pressão fiscal sobre as empresas, também não vejo que elas tenham grande espaço para fazerem grandes modificações do que está no acordo", afirmou Vieira Lopes.

O presidente da CCP referiu que, neste momento, o que está em cima da mesa são as alterações a introduzir na proposta de Orçamento do Estado para 2024, que poderão levar a uma revisão posterior do acordo.

João Vieira Lopes reafirmou que o Governo mostrou abertura para negociar as tributações autónomas e a questão do IVA na construção, mas ainda não apresentou nenhuma proposta.

Leia Também: Conselho de Ministros em Leiria passou ao lado "dos baixos salários"

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório