Meteorologia

  • 19 JULHO 2024
Tempo
28º
MIN 19º MÁX 31º

Frente Comum? Reunião "insuficiente". Governo "pode e deve" ir mais longe

A Frente Comum dos Sindicatos da Função Pública defendeu hoje que o resultado do encontro desta tarde com o Governo é, novamente, "insuficiente", vincando que o executivo "pode e deve" ir mais longe num conjunto de matérias.

Frente Comum? Reunião "insuficiente". Governo "pode e deve" ir mais longe
Notícias ao Minuto

17:41 - 26/04/23 por Lusa

Economia Frente Comum

Os sindicatos representativos dos trabalhadores da função pública estão hoje reunidos com a secretária de Estado da Administração Pública, Inês Ramires, para debater a Agenda do Trabalho Digno.

"A Frente Comum considera que aquilo que sai do encontro é insuficiente, mais uma vez", afirmou o dirigente sindical Sebastião Santana, em declarações aos jornalistas, no final da reunião, que decorreu na presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa.

O líder da Frente Comum disse que, além das questões hoje colocadas em cima da mesa, relacionadas com a "importação para a lei geral do trabalho em funções públicas" de matérias ligadas à parentalidade, revistas na Agenda do Trabalho Digno, os sindicatos questionaram o executivo sobre outros temas, como o aumento dos salários e a atualização das ajudas de custo na administração pública.

No que se refere a este último ponto, o executivo ainda não se comprometeu com valores, mas adiantou que pretende apresentar, "a curto prazo" uma proposta, acrescentou.

Sebastião Santana assegurou ainda que a Frente Comum vai, " com certeza", apresentar propostas que melhorem o documento apresentado pelo Governo, nomeadamente em relação aos períodos de referência para os cálculos que são feitos para a atribuição de subsídios de parentalidade e sobre a implicação que os retroativos, "agora insuficientes", podem ou não ter nesses cálculos.

No que se refere ao pagamento de indemnizações por acidentes em serviço, o dirigente sindical defendeu que "continua a haver uma injustiça muito grande", tendo em conta que só os trabalhadores com incapacidades inferiores a 30% é que recebem, imediatamente, a indemnização.

Assim, "a esmagadora maioria" não vai receber qualquer indemnização até se aposentar, apontou.

"Entendemos que há um conjunto de matérias em que o Governo pode e deve ir mais longe e, mais uma vez, isso não aconteceu", vincou, assegurando que a Frente Comum não abdica da sua proposta reivindicativa.

Leia Também: Governo intransigente fecha negociações salariais, diz Frente Comum

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório