Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Banco Nacional de Angola volta a cortar taxa de juro básica

O Banco Nacional de Angola voltou a reduzir a taxa de básica de juro (taxa BNA) em 1 ponto percentual, de 18% para 17%, decisão fundamentada com "a avaliação do comportamento dos preços", segundo o governador do regulador angolano.

Banco Nacional de Angola volta a cortar taxa de juro básica
Notícias ao Minuto

19:09 - 21/03/23 por Lusa

Economia Angola

O anúncio foi feito hoje em Luanda após a 110.ª Reunião do Comité de Política Monetária do Banco Nacional de Angola (BNA).

"A decisão assenta no andamento da nossa economia, nomeadamente comportamento da variação de preços", disse o governador do BNA, José de Lima Massano, em conferência de imprensa.

O governador apontou a queda do índice de preços no consumidor desde fevereiro de 2022 e sublinhou que as medidas adotadas pelo BNA têm resultado em estabilidade e melhoria das condições de preços, pelo que não faria sentido "manter taxas de juro num sentido excessivamente conservador".

"Ainda assim avançamos com prudência, aguardamos dados de março da inflação, mas devemos confirmar a inflação a manter o curso de recuo. Abrimos espaço para que as condições sejam alteradas do ponto de vista de liquidez e que o crédito seja concedido em melhores condições", destacou Lima Massano.

O governador afirmou que o crédito está atualmente a ser concedido em condições mais favoráveis, pelo que alguns dos projetos com taxas mais altas, que se tornavam inviáveis, têm agora nova oportunidade.

"Assistimos mais cedo do que prevíamos a uma redução generalizada das taxas de juro interbancárias, neste momento a Luibor apresenta uma taxa inferior a 9%", acrescentou.

Quantos aos problemas que afetaram nas últimas semanas a banca internacional, nomeadamente o Crédit Suisse, referiu que a banca angolana "não tem exposição direta", mas admitiu que "as coisas estão interligadas".

O Comité de Política Monetária (CPM) do BNA adotou ainda outras medidas como a diminuição da taxa de juro da facilidade permanente de cedência de liquidez de 18% para 17% e da taxa de juro da facilidade permanente de absorção de liquidez de 14% para 13,5%.

Foram também flexibilizadas as condições de liquidez no sistema financeiro, ajustando o período temporal para o cumprimento das reservas obrigatórias pelos bancos comerciais passando da base fixa diária para uma média de cumprimento quinzenal

Os coeficientes em moeda nacional e estrangeira, em 17% e 22%, respetivamente, mantêm-se inalterados.

Quanto ao contexto internacional, as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), apontam para um crescimento da economia mundial de cerca de 2,9%, que será de 1,2% nas economias avançadas e em torno de 4% nas economias emergentes, animado pela China e pela Índia.

Para a economia da África subsaariana, espera-se um crescimento de 3,8%, enquanto as previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) angolano se mantiveram nos 3,3% e a inflação a situar-se entre 9 e 11%, tal como na última reunião do CPM.

O comité realçou ainda a trajetória descendente que se observa na inflação desde fevereiro de 2022, tendo atingido no mês passado os 11,54%, nível mais baixo desde setembro de 2015.

As contas externas registaram um saldo superavitário de 3,13 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros) nos dois primeiros meses de 2023.

No final do mês de fevereiro, as Reservas Internacionais situaram-se em 13,95 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros), correspondendo a um grau de cobertura de cerca de seis meses de importações de bens e serviços.

A próxima reunião do Comité de Política Monetária realizar-se-á em 19 de maio na cidade do Kuito, província do Bié.

Leia Também: Angola. Conselho de Magistratura "intimida" trabalhadores em greve

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório