Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 14º

Cáritas diz ser urgente rever critérios do subsídio de desemprego e do RSI

O presidente da Cáritas Portuguesa defendeu hoje a revisão dos critérios de atribuição do subsídio de desemprego e do rendimento social de inserção (RSI), adiantando que, apesar do crescimento económico, continua o empobrecimento das famílias.

Cáritas diz ser urgente rever critérios do subsídio de desemprego e do RSI
Notícias ao Minuto

15:29 - 13/05/14 por Lusa

Economia Empobrecimento

"É urgente reverem-se os critérios do subsídio de desemprego, porque não está garantido que grande parte daqueles que são os desempregados de longa duração venham a encontrar trabalho tão cedo e já ficaram fora desse subsídio", afirmou Eugénio Fonseca.

Para o presidente da Cáritas, é também necessário que "se reveja, sem preconceitos ideológicos, nem populismos, a medida do rendimento social de inserção (RSI)", notando que se está "a falar, apenas, de contributos a dar para suavizar a agressividade da pobreza".

"Era bom que, com a saída da 'troika', já que se fala na diminuição de impostos, no devolver de alguns recursos que foram retirados às pessoas, sobretudo na massa salarial, que, ao mesmo tempo e desde já, se começasse a pensar numa verdadeira proteção social que assente mais naquilo que são os direitos das pessoas do que em medidas meramente assistenciais", justificou Eugénio Fonseca.

O responsável destacou que, "apesar do crescimento económico" que o país está a registar, a Cáritas não cruzou os braços, "porque o empobrecimento das famílias ainda continua a acontecer", exemplificando que "deixaram de ter subsídios de desemprego e continuaram a ter os mesmos encargos, encargos que querem dizer muitos deles endividamentos".

A Comissão Europeia anunciou a 14 de abril que o programa de assistência a Portugal "termina efetivamente a 17 de maio", mas que última "tranche" do empréstimo será desembolsada apenas algumas semanas depois, em junho, "como aconteceu com a Irlanda".

"Não existe qualquer consideração política por detrás de uma extensão técnica do programa português, que termina efetivamente a 17 de maio. Esta extensão técnica está puramente relacionada com o desembolso final do Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira, que, por razões processuais, só acontecerá em junho, uma extensão semelhante à da Irlanda. Isto são meras questões processuais, não políticas", referiu o porta-voz da Comissão Europeia para os Assuntos Económicos, numa nota enviada à agência Lusa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório