Meteorologia

  • 01 OUTUBRO 2022
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 27º

Ministros da Energia debatem este mês plano de emergência para o inverno

Os ministros da Energia da União Europeia vão realizar um Conselho extraordinário a 26 de julho, em Bruxelas, para avaliar o plano de emergência que a Comissão Europeia irá entretanto apresentar para precaver eventuais cortes de fornecimento do gás russo.

Ministros da Energia debatem este mês plano de emergência para o inverno
Notícias ao Minuto

13:15 - 06/07/22 por Lusa

Economia Ministros da Energia

"A presidência checa decidiu convocar um Conselho de Energia extraordinário a 26 de julho. Os ministros vão discutir os preparativos da UE para o inverno no setor da energia", anunciou a nova liderança rotativa do Conselho da UE na conta oficial na rede social Twitter.

Este anúncio teve lugar poucas horas depois de a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ter anunciado num debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, que o executivo comunitário vai apresentar "em meados do mês" -- provavelmente na reunião do colégio de 20 de julho, especificou posteriormente o comissário Maros Sefcovic -- um plano de emergência europeu para precaver um eventual corte total de fornecimento de gás russo.

"Precisamos de nos preparar para novas perturbações no fornecimento de gás, até mesmo para um corte total da Rússia. Atualmente, no total, 12 Estados-membros são diretamente afetados por reduções parciais ou totais do fornecimento de gás. É óbvio: [o Presidente russo, Vladimir] Putin continua a utilizar a energia como uma arma", afirmou hoje no hemiciclo de Estrasburgo.

Von der Leyen anunciou então que "é por esta razão que a Comissão está a trabalhar num plano de emergência europeu", que apresentará "em meados de julho".

"Os Estados-membros já têm os seus planos nacionais de emergência em vigor. Isso é bom, mas precisamos de coordenação europeia e de ação comum. Precisamos de assegurar que, em caso de rutura total, o gás flui para onde é mais necessário. Temos de assegurar a solidariedade europeia. E precisamos de proteger o mercado único, bem como as cadeias de abastecimento da indústria", disse.

A presidente do executivo comunitário sublinhou que os 27 não podem esquecer "a amarga lição" aprendida no início da pandemia da covid-19, em 2020, comentando que "o egoísmo e o protecionismo conduzem apenas à desunião e à fragmentação".

"Como sempre, esperamos o melhor, mas preparamo-nos para o pior. Temos um trabalho árduo à nossa frente. Mas, tal como nas últimas semanas, a unidade trará sucesso", disse.

A guerra na Ucrânia, causada pela invasão russa do país no final de fevereiro passado, agravou a situação de crise energética em que a UE já se encontrava.

As tensões geopolíticas devido à guerra da Ucrânia têm afetado o mercado energético europeu, já que a UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros.

Em Portugal, o gás russo representou, em 2021, menos de 10% do total importado.

Na última cimeira de líderes da UE, celebrada em 23 e 24 de junho em Bruxelas, o primeiro-ministro, António Costa, também defendeu que a União Europeia deve chegar ao outono "com outra situação" energética, dada a dependência da Rússia, admitindo ainda "riscos globais" no fornecimento do gás, apesar da baixa dependência de Portugal.

"É fundamental chegarmos ao outono com outra situação porque nessa altura o consumo de energia vai aumentar, sobretudo nos países mais frios, que são também os mais dependentes do fornecimento de energia por parte da Rússia", disse o chefe de Governo, falando em conferência de imprensa no final do Conselho Europeu.

Leia Também: Inclusão nuclear e gás em 'energias verdes'? Organizações estão contra

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório