Meteorologia

  • 06 OUTUBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 30º

BCE afirma que bancos russos enfrentam fortes desafios devido às sanções

O Banco Central Europeu (BCE) considera que os bancos de propriedade russa enfrentam fortes desafios na sequência da aplicação de sanções pelos países ocidentais.

BCE afirma que bancos russos enfrentam fortes desafios devido às sanções

Uma análise feita pelo BCE revela que as exposições diretas à Rússia eram controláveis para os bancos, mas mostrou algumas exceções algumas semanas depois do ataque da Rússia à Ucrânia, de acordo com informações publicadas hoje no 'site' da instituição.

Alguns grandes bancos com filiais na Rússia tinham grandes exposições à região em conflito.

Para estes bancos, os supervisores tiveram de calcular o impacto do pior cenário possível, em que os bancos têm de abandonar as suas filiais e anotar as suas exposições transfronteiriças na região.

O BCE alega que os bancos em questão eram suficientemente fortes para enfrentar este cenário extremo, que teria reduzido o capital próprio comum de nível 1 (CET1) em média 90 pontos base antes de impostos.

A mobilização de capital necessária de alguns bancos individuais não excedeu 200 pontos base.

O BCE considera que alguns bancos têm um défice de capital para satisfazer os requisitos mínimos de capital nestas circunstâncias adversas, mas que este défice é contido, mesmo no cenário mais adverso.

"Em particular, os bancos russos enfrentaram e continuam a enfrentar fortes desafios associados a preocupações de reputação e operacionais, também depois da adoção das sanções ocidentais", de acordo com informações publicadas pelo BCE.

Os problemas operacionais e danos de reputação afetaram bancos como o Sberbank Europe, o RCB Bank e o Amsterdam Trade Bank.

Estes bancos foram liquidados ou reestruturados como resultado, sem causar mais contágio ao setor bancário europeu, acrescenta o BCE.

Os supervisores estão a observar os bancos com operações na Ucrânia, uma vez que as suas filiais enfrentam muitos problemas na prestação de serviços bancários à população e no apoio aos empregados na relocalização para locais mais seguros.

Controlam também mais de perto as actividades do mercado financeiro e os riscos cibernéticos.

Depois do início do conflito bélico rapidamente surgiram algumas turbulências nos mercados de matérias-primas e da energia, mas os ciberataques aos bancos foram "inesperadamente baixos" nessa fase, de acordo com o BCE.

No entanto, o BCE recomenda que os bancos permaneçam em alerta e estabeleçam planos de contingência para implementar rapidamente contramedidas, mesmo que os riscos de ataques cibernéticos ainda não tenham ocorrido.

O BCE criou um grupo de contacto após o início da guerra para recolher informações e a experiência necessária em supervisão bancária europeia.

Uma das suas principais tarefas foi preparar uma revisão dos bancos mais expostos aos riscos que surgiram do conflito militar.

Estes eram principalmente bancos de propriedade russa, bancos com filiais na Rússia e na Ucrânia, e os bancos com exposições significativas à Rússia nos seus balanços.

O BCE estabeleceu um acompanhamento diário para estes bancos e aumentou a frequência do acompanhamento para todos os bancos a fim de identificar novos riscos e impactos.

Leia Também: Bancos russos Sberbank e Alfa Bank desvalorizam sanções

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório