Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 21º

Cabaz de alimentos já aumentou mais de 17€ desde o início da guerra

A análise é da DECO Proteste.

Cabaz de alimentos já aumentou mais de 17€ desde o início da guerra
Notícias ao Minuto

15:38 - 22/04/22 por Notícias ao Minuto

Economia cabaz alimentar

Um cabaz com bens alimentares essenciais já aumentou mais de 17 euros desde o início da guerra, no final de fevereiro, de acordo com a monitorização dos preços realizada pela DECO Proteste

"Desde que a guerra na Ucrânia começou, o preço de um cabaz de bens alimentares já aumentou mais de 17 euros. Para abastecer a despensa de alimentos essenciais, os consumidores podem agora ter de gastar mais de 200 euros", pode ler-se no comunicado da DECO. 

O preço de um cabaz de bens alimentares essenciais registou, entre 13 e 20 de abril, uma descida de 0,88 cêntimos (-0,44%), passando a custar um total de 200,79 euros.

"Esta é a segunda vez que o custo do cabaz de alimentos desce desde que iniciámos esta análise, a 23 de fevereiro, um dia antes da invasão da Ucrânia pela Rússia. No entanto, na maioria das semanas analisadas têm-se registado aumentos significativos", adianta a DECO Proteste.

A título de exemplo, entre 6 e 13 de abril, o mesmo cabaz de bens alimentares passou a custar mais 6,75 euros (mais 3,46 por cento). Já no período entre 23 de fevereiro e 20 de abril, o cabaz ficou 17,16 euros (mais 9,35%) mais caro.

A DECO Proteste tem monitorizado, todas as quartas-feiras, os preços de um cabaz de 63 produtos alimentares essenciais que inclui bens como peru, frango, pescada, carapau, cebola, batata, cenoura, banana, maçã, laranja, arroz, esparguete, açúcar, fiambre, leite, queijo e manteiga. 

Leia Também: Mais de 50 mil pessoas ainda permanecem em Mariupol, diz deputado

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório