Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Prioridade da Guiné-Bissau na cooperação com a UE é o acordo de pescas

A ministra dos Negócios Estrangeiros guineense, Suzi Barbosa, afirmou hoje que uma das grandes prioridades de cooperação entre a Guiné-Bissau e a União Europeia é o acordo de pescas.

Prioridade da Guiné-Bissau na cooperação com a UE é o acordo de pescas
Notícias ao Minuto

14:48 - 24/11/21 por Lusa

Economia Guiné-Bissau

"A nossa grande prioridade neste momento com a União Europeia é o acordo das pescas, mas no sentido de termos finalmente a acreditação para exportarmos o nosso pescado para a União Europeia. Temos já um laboratório, queremos continuar o processo, de forma a poder credenciar o nosso pescado e que seja exportado para a Europa", afirmou a chefe da diplomacia guineense.

Suzi Barbosa falava aos jornalistas após um encontro com a diretora-geral do Serviço Europeu de Ação Externa, a embaixadora Rita Laranjinha, que se encontra em Bissau em visita bilateral e participar na 14.ª reunião dos ordenadores nacionais para o Fundo Europeu de Desenvolvimento dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor-Leste, que se realiza na quinta-feira.

"Isso vai permitir não só um aumento das receitas ao nível da nossa economia, mas permitir a melhoria de vida das populações. Vai permitir criar mais postos de trabalho, vai permitir mais trabalho para as vendedoras de peixe. Tudo isso vai ativar a nossa economia e ter impacto direto na melhoria das condições de vida da população", salientou a chefe da diplomacia.

A Guiné-Bissau tem o terceiro maior acordo de pesca com a União Europeia, depois de Marrocos e da Mauritânia.

O último acordo assinado entre a Guiné-Bissau e a União Europeia, para o período entre 2019-2024, autoriza 50 navios europeus a pescarem nas águas guineenses.

Em contrapartida, a União Europeia dá uma compensação financeira anual à Guiné-Bissau de 15,6 milhões de euros.

A chefe da diplomacia guineense destacou que, além das pescas, os outros setores principais de cooperação com a União Europeia são nas áreas da saúde, educação, agricultura e infraestruturas.

Suzi Barbosa salientou também que será assinado brevemente o programa indicativo nacional com a União Europeia, que não existia "há alguns anos" e que isso é "prova" de que há estabilidade na Guiné-Bissau, "porque a União Europeia por regra não faz a assinatura do programa com países que não têm estabilidade".

"Isso leva-nos a entender que estamos no bom caminho", afirmou.

Ainda sobre o encontro com a embaixadora Rita Laranjinha, a ministra dos Negócios Estrangeiros guineense disse que falaram sobre a situação política sub-regional, nomeadamente a situação no Mali e na Guiné-Conacri e o "papel que a Guiné-Bissau tem tido na mediação daqueles conflitos".

"A Guiné-Bissau deixou de ser um ponto na agenda da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) para passar a ser um dos países mediadores das crises da sub-região. A Guiné-Bissau demonstrou que deixou de ser um país com instabilidade", afirmou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório