Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

CIP defende 'abanão' ao modelo de crescimento para superar crise

A CIP defende um "'abanão' ao modelo de crescimento" para que o país cresça "pelo menos" 3% ao ano entre 2022 e 2026, crie 50 mil empregos qualificados e aumente exportações e investimento para 50% e 25% do PIB, respetivamente.

CIP defende 'abanão' ao modelo de crescimento para superar crise
Notícias ao Minuto

13:58 - 02/07/21 por Lusa

Economia CIP

Num plano traçado para o período pós-crise pandémica e intitulado "Uma Estratégia de Crescimento e Competitividade", a que a agência Lusa teve hoje acesso, a CIP - Confederação Empresarial de Portugal defende que o país "não pode conformar-se com o crescimento anémico que se tem registado nas últimas duas décadas" e aponta o ano 2021 como "a oportunidade" para dar "um 'abanão' ao modelo de crescimento".

"É necessária uma estratégia, com medidas de médio e longo prazo. Uma estratégia de crescimento sustentável exige uma nova geração de políticas públicas pela utilização eficiente e transparente dos recursos públicos e uma nova cultura de relacionamento com os agentes económicos, com valorização do papel da economia de mercado e da iniciativa privada", sustenta.

Neste sentido, a CIP propõe ao Governo a implementação de medidas em 10 áreas: Estimular os investimentos através dos fundos comunitários; combater os custos de contexto para melhorar o ambiente de negócios; promover uma adequada execução de investimentos públicos; capitalizar as empresas; potenciar 'clusters' com maior potencial de crescimento; apostar na sustentabilidade e aproveitamento dos recursos naturais; requalificar o mercado de trabalho; reforçar a estratégia industrial; formar em competências digitais; e promover a transição digital.

O objetivo é que Portugal cresça "pelo menos 3% ao ano entre 2022 e 2026", crie 50 mil postos de trabalho qualificados, requalifique 100 mil trabalhadores, registe um milhão de formandos com competências digitais e, em 2026, atinja um volume de exportações equivalente a 50% do Produto Interno Bruto (PIB) e aumente a componente de investimento para, "pelo menos, 25% do PIB".

Avisando que a opção é entre "crescer ou empobrecer", a confederação defende a urgência de uma estratégia de crescimento e competitividade a médio/longo prazo, "alinhada com a Europa" e cujas metas sejam "crescer, exportar, investir e formar".

Neste contexto, aponta como apostas prioritárias as qualificações, o empreendedorismo e a iniciativa privada, a capitalização das empresas, a investigação e inovação, a captação de investimento, a digitalização da economia, a resposta à demografia e ao envelhecimento sustentável, o aproveitamento dos recursos endógenos, a eficiência energética e as "relações geoestratégicas privilegiadas" do país.

No que diz respeito aos fundos comunitários, a confederação liderada por António Saraiva reclama o envolvimento dos parceiros sociais, a canalização de apoios especiais para setores como o comércio, o turismo e, em especial, a restauração, a "plena ativação imediata" do Banco Português de Fomento e a "operacionalização urgente dos prometidos instrumentos de capitalização das empresas".

Defende ainda que as verbas europeias sirvam para "incentivar e acelerar os investimentos privados", mediante a agilização e simplificação das candidaturas.

Já com vista à capitalização das empresas, a CIP destaca a importância da conversão de garantias de Estado em incentivos a fundo perdido, a criação de um Fundo de Capitalização de Emergência e de uma linha de dívida subordinada covid-19, o reforço dos fundos de capitalização e incentivos fiscais à capitalização, reiterando ser "fundamental a plena ativação do Banco Português de Fomento".

Leia Também: CIP pede equipas de vacinação nas fábricas para evitar interrupções

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório