Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

Comissão Europeia revê em alta crescimento da Alemanha

A Comissão Europeia reviu hoje em alta o crescimento económico da Alemanha, que será de 3,4% este ano e de 4,1% em 2022, justificando-o com o levantamento das medidas restritivas contra a covid-19 e a reabertura dos serviços.

Comissão Europeia revê em alta crescimento da Alemanha

Em causa estão as previsões económicas da primavera hoje divulgadas, nas quais o executivo comunitário prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) alemão suba acima do anteriormente previsto, seguindo a tendência europeia de melhoria.

Nas projeções intercalares de inverno, divulgadas em fevereiro passado, a instituição previa que a economia alemã crescesse 3,2% em 2021 e 3,1% em 2022.

"As medidas de confinamento têm vindo a enfraquecer o consumo privado desde dezembro de 2020, mas espera-se uma recuperação acentuada das despesas de consumo e da atividade global a partir do segundo semestre deste ano, à medida que a vacinação avança e os serviços de contacto intensivo reabrem", justifica a Comissão Europeia no documento hoje publicado.

Além disso, "as exportações têm vindo a recuperar desde meados de 2020 e espera-se que continuem a apoiar o crescimento", acrescenta.

Segundo o executivo comunitário, o défice da Alemanha "deverá aumentar em 2021 mas diminuir em 2022", fixando-se então em 7,5% este ano e em 2,5% no ano seguinte.

Isto deve-se, em parte, às "medidas orçamentais consideráveis para apoiar a recuperação [que] permanecem em vigor durante todo o ano", que vão permitir "mitigar as perdas de emprego e as insolvências".

Já a dívida pública ascenderá a 73,1% do PIB em 2021 e em 72,2% do PIB em 2022.

No que toca ao mercado laboral, a taxa de desemprego irá fixar-se em 4,1% este ano e em 3,4%.

A Comissão Europeia prevê ainda "que a inflação aumente no final deste ano devido a fatores temporários, mas abrande novamente em 2022", sendo de 2,4% este ano e de 1,4% no ano seguinte.

As previsões da primavera -- um dos dois exercícios anuais de projeções a dois anos feito por Bruxelas que englobam um conjunto alargado de indicadores macroeconómicos para a zona euro e para o conjunto da UE -- são divulgadas hoje depois de um primeiro trimestre em que a economia europeia continuou a ser fortemente condicionada pela pandemia, designadamente por longos confinamentos na generalidade dos Estados-membros e uma campanha de vacinação que arrancou aos 'soluços'.

Surgem ainda numa altura em que a União Europeia ultima a entrada em vigor do pacote de recuperação económica pós-crise da covid-19.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório