Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 28º

Edição

Líder da Guiné Equatorial quer "comprar vontades" ao investir no Banif

O líder da oposição da Guiné Equatorial no exílio, Severo Moto, considerou hoje que o investimento daquele país africano no Banif é uma tentativa de "comprar vontades", incluindo para a adesão à CPLP.

Líder da Guiné Equatorial quer "comprar vontades" ao investir no Banif
Notícias ao Minuto

11:16 - 07/02/14 por Lusa

Economia Críticas

"Isto é dinheiro que serve para comprar vontades. E para que o Obiang e a sua família possam continuar a roubar", afirmou Severo Moto, em declarações à Lusa em Madrid.

"Toda a gente sabe que o Presidente Obiang está a nadar na abundância do dinheiro que recebe do petróleo. Como nos EUA já estão atrás do que tem roubado e em França também, está a fugir desses países onde tem problemas e a refugiar o seu dinheiro em Portugal e noutros países", disse.

Na quarta-feira, o Banif divulgou que estabeleceu um memorando de entendimento com a República da Guiné Equatorial visando a colaboração entre as partes no setor bancário, que poderá levar à entrada de uma empresa daquele país africano no capital do banco.

"O Banif - Banco Internacional do Funchal, SA (Banif) informa que celebrou um Memorando de Entendimento (MdE) não vinculativo com a República da Guiné Equatorial, tendo em vista iniciativas de colaboração no setor bancário em condições que venham a ser acordadas entre as partes", lê-se num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo o documento, "no âmbito das referidas iniciativas está prevista a possível tomada de uma participação qualificada no capital social do Banif por empresa da Guiné Equatorial, se possível, no montante remanescente para a conclusão da segunda fase do processo de recapitalização do Banif, destinado a investidores internacionais (de cerca de 133,5 milhões de euros).

Para o secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Murade Murargy, o investimento no Banif é uma forma de demonstração do real interesse de cooperação daquele país africano com a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"A Guiné Equatorial está interessada em investimentos nos nossos países, começando por Portugal. Esta injeção de capitais no Banif é uma forma que a Guiné Equatorial está a demonstrar que quer realmente cooperar connosco", disse o diplomata moçambicano, em declarações à Lusa na quinta-feira no final da visita do grupo parlamentar do PSD à sede da CPLP.

Severo Moto também considera que o investimento é "um bilhete" para a CPLP, mas insiste que é uma adesão que "social e culturalmente" não faz sentido "num país que tem como línguas oficiais o espanhol e o francês" e que apenas pretende "influência".

"O interesse de adesão á CPLP não tem a ver com afinidades ou com boas relações. Tem a ver com interesses económicos", afirmou o líder da oposição.

"Obiang procura influência e a proteção de outros países. O que a Guiné quer é projeção internacional, porque agora se sente mais abandonada que nunca pela comunidade internacional", disse.

Moto rejeitou igualmente os argumentos dos que consideram que uma eventual adesão à CPLP ajudaria a democratizar a Guiné Equatorial ou a combater os abusos de direitos humanos e falta de liberdades no país.

"Espanha, que é a potência colonizadora, não o conseguiu. França, que é o país com mais influência na zona, não o consegue. É muito difícil que consigam outros", disse, rejeitando também a postura de Angola, que defende a adesão da Guiné Equatorial à CPLP.

"Conheço Angola e não considero que seja um paradigma de respeito de direitos humanos. Aliás, os direitos humanos e a liberdade em África são questões pendentes em todos os países africanos", disse.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório