Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 26º

Edição

Teletrabalho em contexto de pandemia não deve ser "alicerce" para futuro

O investigador e ex-líder da CGTP, Carvalho da Silva, defendeu hoje que a experiência do teletrabalho no contexto da pandemia de covid-19 não deve ser tomada como "alicerce" para o futuro do trabalho.

Teletrabalho em contexto de pandemia não deve ser "alicerce" para futuro
Notícias ao Minuto

15:58 - 09/03/21 por Lusa

Economia CGTP

"O tempo que estamos a viver é de exceções, é de emergências, é de muita unilateralidade", afirmou Carvalho da Silva durante a sua intervenção num dos painéis da conferência de alto nível sobre o futuro do trabalho, promovida no âmbito da presidência portuguesa da União Europeia, que decorre 'online'.

"Não podemos tomar o que está a acontecer hoje, neste contexto de exceção e de emergência, como o alicerce para o futuro", defendeu o diretor do CoLABOR -- Laboratório Colaborativo para o Trabalho, Emprego e Protecção Social.

Carvalho da Silva realçou a importância de existir antes uma reflexão "sociológica, política e jurídica" sobre as novas formas de trabalho, referindo que, no contexto da pandemia, o incremento do teletrabalho "foi feito muitas vezes debaixo de uma necessidade premente a que todos os trabalhadores, por uma questão de racionalidade, se submeteram".

Por sua vez, o presidente do CEEMET, uma organização representativa de várias federações empresariais, Rainer Ludwig, defendeu que deve haver uma "intervenção regulatória, legislativa" sobre as novas formas de trabalho, nomeadamente sobre o trabalho remoto, mas sublinhou que a negociação "tem de ser feita tendo em conta as várias realidades", uma vez que teletrabalho e trabalho em plataformas digitais são diferentes, exemplificou.

Rainer Ludwig apelou assim à União Europeia "para que não regulamente excessivamente as novas formas de trabalho" e pediu aos decisores políticos nacionais para deixarem espaço para que os parceiros sociais possam negociar.

O futuro do trabalho e as mudanças no mercado laboral estão hoje em debate na conferência promovida pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, no quadro da presidência portuguesa do Conselho da UE.

A conferência será encerrada esta tarde pelos ministros do Trabalho do trio de presidências do Conselho da UE, composto pela Alemanha (segundo semestre de 2020), Portugal (em curso até junho) e Eslovénia (segundo semestre de 2021).

Leia Também: Teletrabalho em emergência não é modelo para futuro, diz sociólogo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório