Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Madeira: Sindicatos vão intensificar luta pelo aumento geral dos salários

A União dos Sindicatos da Região Autónoma da Madeira (USAM) vai intensificar a ação reivindicativa e insistir na luta pelo aumento geral e significativo dos salários dos trabalhadores, indicou hoje o novo conselho regional da estrutura, eleito em congresso.

Madeira: Sindicatos vão intensificar luta pelo aumento geral dos salários
Notícias ao Minuto

22:55 - 10/10/20 por Lusa

Economia Madeira

Funchal, Madeira, 10 out 2020 (Lusa) - A União dos Sindicatos da Região Autónoma da Madeira (USAM) vai intensificar a ação reivindicativa e insistir na luta pelo aumento geral e significativo dos salários dos trabalhadores, indicou hoje o novo conselho regional da estrutura, eleito em congresso.

"Milhares de trabalhadores, bem como outras camadas da população, estão a ser fortemente atingidos por uma violentíssima ofensiva contra os seus salários e direitos", afirmou o dirigente Alexandre Fernandes, no encerramento do XII congresso da USAM, que decorreu no Funchal, sob o lema "Pelo trabalho seguro e com direitos - reivindicar, lutar e conquistar".

O representante do conselho regional vincou que a figura do 'lay-off' é um dos "expoentes máximos" do "ataque" que está a ser dirigido contra os trabalhadores por "poderosos grupos económicos", a pretexto da pandemia de covid-19.

Alexandre Fernandes disse que a crise pandémica evidenciou as "grandes fragilidades estruturais" da região autónoma, dominada pela "monocultura do turismo", um dos setores mais afetados, mas também alertou para a "propagação do medo e da insegurança" como instrumento para convencer os trabalhadores de que os seus direitos estão suspensos.

O dirigente sindical realçou que os índices de pobreza e os baixos salários no arquipélago foram agravados nos últimos meses, sublinhando que a crise económica e social gerada pela covid-19 está a provocar o "encerramento de muitas empresas", assim como um "aumento exponencial" do desemprego.

Segundo dados oficiais, o número de desempregados na região subiu 26,5%, afetando mais de 18.900 pessoas, das quais 71% não auferem subsídios.

Os delegados ao congresso da USAM, que representa 80% das estruturas sindicais da região autónoma, aprovaram a carta reivindicativa e o programa de ação para o período 2020-2024, e agendaram a primeira reunião do novo conselho regional para 16 de outubro, na qual serão nomeados o secretariado e o coordenador da estrutura para o próximo quadriénio.

A carta reivindicativa da USAM apresenta 25 propostas, entre as quais o aumento do salário mínimo nacional a curto prazo para 850 euros, com acréscimo de 7,5% na Região Autónoma da Madeira, a redução do horário normal de trabalho para as 35 horas, a aplicação de 25 dias úteis de férias para todos os trabalhadores e o estabelecimento de uma política fiscal que aumente as receitas do Estado, alivie os impostos sobre os rendimentos do trabalho e combata de forma eficaz a fraude e a evasão fiscal.

Por outro lado, o programa de ação incide na luta conta a precariedade, no combate às desigualdades, na segurança e saúde no trabalho, no direito à formação profissional, na contratação coletiva, no reforço da intervenção sindical e no acesso à cultura, bem como ao serviço nacional de saúde e à escola pública.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório