Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2020
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 21º

Edição

Malparado baixa em maio no crédito à habitação e no crédito a empresas

O crédito malparado reduziu-se em maio, face ao mesmo mês do ano passado, quer nos empréstimos para compra de habitação quer nos empréstimos a empresas, segundo dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal.

Malparado baixa em maio no crédito à habitação e no crédito a empresas
Notícias ao Minuto

13:46 - 26/06/20 por Lusa

Economia BdP

Em maio, segundo as estatísticas do banco central, o 'stock' de empréstimos aos particulares era de 118,82 mil milhões de euros, praticamente o mesmo valor de abril e mais 3% do que em maio de 2019.

Nos particulares destacam-se os empréstimos à habitação, cujo valor ascendia a 93,27 mil milhões de euros em maio, semelhante a abril e uns ligeiros 0,52% acima do valor de período homólogo.

No crédito ao consumo o valor concedido em maio era de 19,05 mil milhões de euros, semelhante a abril mas um crescimento significativo em termos homólogos, de 21,5%.

Os empréstimos a outros fins totalizavam 6,5 mil milhões de euros em maio, menos 0,20% do que em abril e menos 3,83% face a maio do ano passado.

Quanto ao malparado, no crédito à habitação representava 0,7% em maio, o mesmo valor de abril e abaixo dos 1,4% do mesmo mês do ano passado.

Já no crédito ao consumo e outros fins, o malparado representava 6,9% em maio, acima dos 6,8% de abril mas abaixo dos 7,9% de maio de 2019.

Nas empresas, o 'stock' dos empréstimos concedidos pelos bancos era de 67,675 mil milhões de euros no final de maio, mais 2,92% do que em abril mas apenas mais 0,28% do que no mesmo mês de 2019.

O crédito malparado nas empresas representava, em maio, 4,3% do crédito total, abaixo dos 4,4% de abril e dos 7,5% de maio de 2019.

Analisando pelo número total de devedores (e não pelos montantes do crédito), segundo o Banco de Portugal, 9,9% dos particulares tinham em maio empréstimos vencidos, abaixo dos 10% de abril mas acima dos 8,6% de maio de 2019.

Já nas empresas, o número de devedores era de 20,2% do total em maio, abaixo dos 20,9% de abril mas acima dos 19,6% de maio de 2019.

Devido à crise económica provocada pela pandemia de covid-19, está em vigor a lei do Governo que permite a suspensão dos pagamentos das prestações de créditos de particulares e de empresas (capital e/ou juros). Inicialmente as moratórias eram apenas até setembro, mas foram estendidas até fim de março de 2021.

Há ainda as moratórias privadas, da Associação Portuguesa de Bancos (APB), da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) e da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF). Estas moratórias aplicam-se aos contratos de crédito que não beneficiam da moratória pública, caso dos contratos de crédito pessoal (com exceção dos contratos de crédito ao consumo com finalidade educação, uma vez que estes já são cobertos pela moratória pública), crédito automóvel e cartões de crédito.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório