Meteorologia

  • 27 OUTUBRO 2020
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

"Acho que as pessoas vão ter saudades da carga fiscal dos últimos anos"

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse hoje que a atual crise pandémica vai fazer as pessoas terem saudades da carga fiscal dos últimos anos, na medida em que esta refletia sobretudo o forte crescimento do emprego.

"Acho que as pessoas vão ter saudades da carga fiscal dos últimos anos"
Notícias ao Minuto

20:06 - 22/05/20 por Lusa

Economia Covid-19

"Acho que as pessoas vão ter saudades da carga fiscal dos últimos anos. Vou explicar porquê. A carga fiscal, [é] o conjunto da receita fiscal e contributiva, e a grande influencia para o aumento da carga fiscal foi a receita contributiva, que decorreu de mais e melhor emprego", que levou a que a receita das quotizações e contribuições da Segurança Social estivesse a crescer mais de 7%, indicou António Mendonça Mendes.

Antes de dizer aquela frase o governante sinalizou que esta devia ser contextualizada, sublinhando que as 'saudades' da carga fiscal resultam das saudades que o nível de emprego dos últimos cinco anos vai deixar, porque o que contribuía para o nível da carga fiscal era o peso da receita contribuições sociais (que incidem sobre a remuneração) que derivavam de haver mais emprego e com salários mais altos.

"Toda a discussão sobre a carga fiscal dos últimos anos foi absolutamente estéril porque não houve nenhum aumento de impostos. A carga fiscal estava a aumentar fruto do crescimento da atividade económica e do emprego" porque esta carga fiscal "era reflexo desta dinâmica positiva" da economia, disse.

De acordo com as "Estatísticas das receitas fiscais" de 2019 do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), a carga fiscal atingiu os 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB), o mesmo valor que já havia sido registado em 2018, e que corresponde ao mais elevado das últimas décadas.

Falando na conferência 'online' "A retoma económica: pontos de vista institucionais", integrada nos ciclos de conferências 'online' "Conviver com a Pandemia" da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais acentuou que esta crise veio por "a nu" a importância das contribuições para a Segurança Social, mostrando que "não são um custo, mas um investimento".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório