Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2020
Tempo
14º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Promotores de festivais unem-se em campanha pela sustentabilidade

Os promotores de espetáculos e festivais em Portugal juntaram-se para lançar uma campanha em defesa da sustentabilidade, que usa as redes sociais como veículo da mensagem e os jovens como principais divulgadores.

Promotores de festivais unem-se em campanha pela sustentabilidade
Notícias ao Minuto

15:53 - 15/01/20 por Lusa

Economia Festival

Esta iniciativa de âmbito nacional, que foi apresentada hoje na Câmara Municipal de Lisboa e surge no ano da Capital Verde Europeia 2020, pretende envolver todos os espectadores de espetáculos, festivais e eventos, num movimento que convida a adotar medidas sustentáveis, fotografá-las e divulgá-las nas redes sociais, com 'gifs' que vão ser criados especificamente para a iniciativa e com a 'hashtag' "DeclareAção".

Durante a apresentação do evento, que contou com a presença de promotores dos vários festivais de verão nacionais, bem como com os presidentes de câmara que representam os festivais, foi destacado o facto de que individualmente todos estes espetáculosadotaram medidas ecológicas e sustentáveis, mas esta é a primeira vez em que se juntaram para o fazer em conjunto e amplificar a mensagem.

"É um convite a cada um para que se apropriem desse movimento, que façam parte desse movimento que não tem a marca de ninguém, que é de todo o mundo", afirmou Roberta Medina, responsável pela realização do Rock in Rio em Lisboa e uma das principais promotoras desta iniciativa.

Segundo a responsável, cada um dos promotores de festivais "é um ótimo canal de comunicação", porque cada um tem os seus eventos, com a sua personalidade e público específico, mas todos têm "uma coisa em comum que é musica e entretenimento".

Segundo Roberta Medina, não é difícil mudar o comportamento, desde que se "use as cenourinhas certas, desde que seja sexy, que seja cool".

Na linguagem de hoje, é o mesmo que dizer "vamos às redes, vamos usar essa vontade de pertencer e de fazer parte de um coletivo, para chamar as pessoas para fazer coisas que são super cool, super bacanas, para toda a gente fazer parte de um mesmo movimento".

Esta é então a base da iniciativa "DeclareAção", a primeira declaração em que para assinar é preciso agir, ou seja, as pessoas fotografam-se a agir (em prol de um planeta mais sustentável) e divulgam-no através das plataformas digitais, aproveitando o seu potencial mobilizador.

Mas tudo isto começa antes, como explicaram os promotores da iniciativa, com um desafio lançado pelas entidades a "jovens líderes" de todo o país para definirem 17 atitudes.

Essas atitudes, baseadas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, vão focar-se em áreas tão distintas como alterações climáticas, diversidade, inclusão social, desenvolvimento económico, ou reciclagem, entre outras.

Para o processo de seleção dos jovens, com idades entre os 16 e os 30 anos -- a chamada "geração Z" - primeiro serão levadas a cabo pesquisas digitais, para encontrar aqueles que têm uma voz ativa nas suas comunidades, depois serão escolhidos 30 que, de forma colaborativa vão trabalhar na definição de atitudes.

Quando estiverem definidas, as 17 atitudes vão ser transformadas em GIF a serem usadas como "assinatura" digital da "DeclareAção".

Ao mesmo tempo será lançada uma página que congregará as boas atitudes, e na qual se reúnem todas as ações que vierem a ser adotadas por empresas, escolas, influenciadores e pelo público em geral, partilhadas nas redes sociais e utilizando os GIF e a 'hashtag' #DeclareAcao.

No fundo, "DeclareAção" é a primeira declaração de atitudes criada por jovens, em que para assinar é preciso agir, com o objetivo de consciencializar e mudar atitudes.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, salientou a "inteligência" desta iniciativa, assinalando que há uma batalha política e ideológica dos negacionistas conta uma voz forte e aguerrida que clama por ação, que é a voz dos jovens.

Mas os jovens "interiorizam as ações políticas", por isso, considera fundamental dar uma "resposta de responsabilidade moral", ou seja, cada um cumprir a sua parte.

"Temos que ter autoridade moral para exigir atos dos outros" e os "atos somados de muita gente fazem a diferença".

Este movimento foi lançado por 15 entidades, das quais fazem parte a Better World (promotora do Rock in Rio), Everything is New (promotora do NOS Alive), Live Experiences (responsável pelo EDP CoolJazz e ID NO LIMITS), MOT (organizadora do RFM SOMNII), Música no Coração (promotora dos festivais Galp Beach Party, Super Bock Super Rock, Super Bock em Stock, MEO Sudoeste, Sumol Summer Fest), PEV (promotora do MEO Mares Vivas), Pic Nic (promotora do NOS Primavera Sound), Ritmos (promotora do Vodafone Paredes de Coura), Surprise & Expectation (EDP Vilar de Mouros), APEFE e APORFEST.

Estão ainda envolvidas, além da câmara lisboeta, a Câmara Municipal de Loulé (organizadora do Festival MED), a Câmara Municipal de Sines (promotora do FMM Sines), a Câmara Municipal de Faro e a Sons em Trânsito (organizadores do Festival F).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório