Meteorologia

  • 19 MAIO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Paulo Macedo recomenda às empresas "estratégias de comunicação ativas"

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) defendeu hoje em São João da Madeira, Aveiro, que as empresas portuguesas de maior dimensão não sobreviverão sem estratégias de comunicação ativas e "até preventivas".

Paulo Macedo recomenda às empresas "estratégias de comunicação ativas"
Notícias ao Minuto

22:24 - 23/04/19 por Lusa

Economia CGD

No novo ciclo de encontros 'Fora da Caixa', que desta vez abordou o tema 'Economia e Cultura' e reuniu na Oliva Creative Factory cerca de 350 profissionais da banca e clientes, Paulo Macedo começou por responder a perguntas de empresários da região, sendo que alguns questionaram se o aumento de comissões e fecho de balcões representavam ameaças ou oportunidades para a banca digital.

Referindo que a tendência é para ajustar os serviços a um público que cada vez gosta menos de ir ao banco, Paulo Macedo respondeu: "Não podemos dizer a toda a gente que o mundo está cada vez mais digital e depois manter as mesmas estruturas [da era anterior ao advento da internet]. As pessoas querem ser servidas de muitas outras maneiras, sete dias por semana, por telefone, 'mail' ou qualquer outra forma mais cómoda".

Nessa perspetiva, Paulo Macedo defendeu: "Nenhuma grande empresa vai sobreviver sem ter uma estratégia de comunicação ativa e essa, aliás, não pode ser só reativa, como aconteceu na Volkswagen e na BP, onde [escândalos de ordem ambiental] exigiram grandes estratégias reativas".

Paulo Macedo, que foi ministro da Saúde, disse que, numa época "em que está muito na moda a agilidade das empresas" e em que a inovação depende "do hiper-conhecimento para detetar e monitorizar mudanças no ambiente empresarial", os líderes dessas instituições "não têm de ser tribunos nem parlamentares ou demagógicos, mas têm de saber falar" para gerar confiança no público.

"As pessoas estão mais sequiosas de partilha, exigem ter mais conhecimento e não é só quando vão ao médico que já viram tudo antes na internet. Quando fazem um crédito à habitação ou uma compra de elevado valor, também exigem informação e querem saber a postura da empresa em termos de responsabilidade social", explicou.

O presidente executivo do banco público admitiu que a vontade de comunicar e o risco de uma maior exposição à opinião pública serão testados nos momentos menos positivos, mas considera que a capacidade de gerir crises também permitirá revelar a cultura empresarial das instituições envolvidas e os valores por elas seguidos que, "regra geral, têm mais importância do que os valores tangíveis".

"A própria CGD, devido às comissões de inquérito [em que está envolvida], tem de fazer ver às pessoas que há boas notícias e que a realidade atual é totalmente distinta de há 5, 7, 10 e 15 anos, como verdadeiramente é, porque a regulação mudou, a supervisão mudou, a exigência dos conselhos [administrativos] também e a 'governance' igualmente", declarou.

Para Paulo Macedo, a "solidez" de um banco ou de uma empresa também se avalia, afinal, pela sua capacidade de comunicar e reagir.

"Podíamos estar a discutir a comissão de inquérito, a chorar mágoas sobre o passado, mas o que fizemos aqui hoje com os nossos clientes, fora do banco, foi expor-nos a perguntas e explicar o que a CGD anda a fazer", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório