Meteorologia

  • 25 MAIO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Centeno admite reembolsar credores europeus já este ano

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu hoje que Portugal pode iniciar o processo de amortização da dívida junto dos credores europeus já este ano, antecipando o pagamento previsto para 2020-2023.

Centeno admite reembolsar credores europeus já este ano
Notícias ao Minuto

10:10 - 06/04/19 por Lusa

Economia Ministro

"Neste momento, não existe nenhum tipo de dívida ao Fundo Monetário Internacional e iniciámos o processo, que é sempre um processo técnico de avaliação do melhor momento e da oportunidade para o fazer, de amortização antecipada da dívida no contexto europeu, o que aliás reflete muito bem o extraordinário desenvolvimento que houve nos mercados de financiamento no seu custo da dívida portuguesa", avaliou.

Em declarações aos jornalistas em Bucareste (Roménia), onde se encontra para participar na reunião informal dos ministros da Economia e das Finanças da União Europeia, Mário Centeno reconheceu que a expectativa do Governo é que, durante este ano, possa antecipar o pagamento dos empréstimos contraídos junto dos credores europeus durante o período da Troika.

"Há dois anos, quando olhávamos para a estrutura da nossa dívida, percebíamos quão cara era a dívida do Fundo Monetário Internacional, mas quão alinhada estava com o resto do custo de endividamento a componente europeia. Hoje já não é assim, porque no mercado Portugal se financia a custos muitíssimo baixos", indicou.

O Mecanismo Europeu de Estabilidade aprovou em dezembro a renúncia ao reembolso antecipado de Portugal do empréstimo do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), permitindo assim o reembolso antecipado ao FMI.

O Conselho de Administração do FEEF, um dos três credores oficiais do programa de ajuda externa a Portugal (2011-2014), "decidiu renunciar ao reembolso obrigatório dos empréstimos" concedidos ao país ao abrigo deste fundo, comprometendo-se Portugal a pagar antecipadamente a este credor até 2 mil milhões de euros entre 2020 e 2023.

O acordo de empréstimo entre o FEEF -- os credores europeus - e Portugal especificava que, quando é feito um pagamento antecipado ao FMI, um montante proporcional da assistência financeira providenciada ao abrigo do FEEF deve também ser liquidado, podendo, todavia, os credores europeus decidir prescindir dessa obrigatoriedade, o que sucedeu.

No quadro do programa de assistência financeira (2011 a 2014), Portugal beneficiou de ajuda externa no valor de 78 mil milhões de euros, providenciada, em partes iguais (um terço cada) pelo FEEF, União Europeia e FMI.

Enquanto as maturidades da dívida do FMI, totalmente amortizada em 10 de dezembro, estavam concentradas entre 2021 e 2023, os reembolsos ao FEEF e à UE estendem-se até 2042.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório