Meteorologia

  • 20 MARçO 2019
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 21º

Edição

Energia: Se privatização da EDP corresse mal todo o programa correria

O ex-secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro Carlos Moedas afirmou hoje que a privatização da EDP era central para o sucesso do programa de ajuda externa, e impediu a adoção de medidas unilaterais no setor da energia.

Energia: Se privatização da EDP corresse mal todo o programa correria
Notícias ao Minuto

10:48 - 15/02/19 por Lusa

Economia Inquérito

Em audição na comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, via 'Skype', questionado pelo deputado do CDS-PP Hélder Amaral sobre a privatização da EDP, Carlos Moedas reconheceu que, "de todas as privatizações que valiam mais ou menos oito mil milhões de euros, aquela [EDP] valia cerca de dois mil milhões.

"Tínhamos a noção de que se aquela corresse mal, todo o programa [de assistência financeira] correria mal. Tenho dúvidas de que, se não conseguíssemos fazer esta privatização, pudéssemos acabar bem", declarou o responsável no governo de Passos Coelho pelas relações com a 'troika'.

Carlos Moedas admitiu que a fase adiantada do processo de privatização da elétrica levou a que a contribuição extraordinária, proposta então pelo secretário de Estado da Energia Henrique Gomes, não saísse do papel.

Carlos Moedas recordou "uma discussão intensa" entre o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, e o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, sobre a contribuição, mas, contrapôs, que no final chegaram a um entendimento de que era necessário "arranjar outra maneira de chegar ao mesmo valor".

"Íamos ser ridículos. Estaríamos a vender gato por lebre. O secretário de Estado [da Energia] tinha uma posição, que de certa forma já vinha tarde na discussão sobre a privatização da EDP. Se de repente fossemos fazer uma contribuição estávamos, no fundo, a enganar os compradores", acrescentou depois o comissário europeu.

"A 'troika' tinha uma visão que estava de acordo com o ministro das Finanças, de que não devíamos fazer nada de forma unilateral, pois íamos, como governo, dar sinais, íamos pôr uma incerteza que prejudicaria a credibilidade do país. Fazer uma contribuição especial era completamente unilateral", disse Carlos Moedas.

No final, sublinhou, foi "extraordinário ver que aquilo que Henrique Gomes queria arrecadar com a contribuição ter sido possível arrecadar sem tomar medidas unilaterais", referindo-se a cortes de 2,1 mil milhões de euros na remuneração aos produtores de eletricidade.

"Depois, o ministro Moreira da Silva faz a contribuição e arrecada mais 1,5 mil milhões", adiantou, considerando que o governo de Passos Coelho foi responsável por cortes, no total, de 3,6 mil milhões de euros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório