"Não gostei que, sendo eu do Olhanense, tenha de ir bardamerda"

O treinador português falou do momento atual que atravessa o futebol português, abordando ainda a implementação do vídeo-arbitro na próxima temporada, na I Liga.

© Global Imagens
Desporto Manuel Cajuda

A mais de dez mil quilómetros de distância, o futebol português não passa ao lado de Manuel Cajuda. A trabalhar na China, o técnico de 65 anos continua a acompanhar o a atualidade desportiva. Ou é levado a isso…

PUB

"Eu não acompanho, sou obrigado a ver as vergonhas e as maledicências constantes", atirou, em entrevista exclusiva ao Desporto ao Minuto.

"Eu devo tudo ao futebol e tenho pena de ver como o tratam. O futebol português é a profissão que mais promove a incompetência e o protagonismo, todos querem ser o protagonista maior e se for para o arruaceiro melhor ainda", apontou.

Dando um exemplo mais concreto, Cajuda falou de Bruno de Carvalho: o Sporting deixou de ser o "coitadinho" com mérito para o presidente dos leões que, na sua opinião, também criou instabilidade no futebol português.

"Eu estava aqui na China e não gostei que, sendo eu do Olhanense, tenha de ir bardamerda. Deixou-me triste. Sei que aquela frase é dita com o calor do momento e emotividade, e a pessoa em questão até já pode ter reconhecido que se excedeu, mas temos de pensar nos outros que nos estão a ouvir", sublinhou.

"Se é bem verdade que criou instabilidade e agressividade também é importante dizer que trouxe muito bem ao Sporting e que melhorou muito o clube. E essas coisas mancham o seu trabalho fantástico. O Sporting deixou de ser o 'coitadinho'. O ano passado, foi um candidato ao título até ao último minuto, este ano esteve menos forte mas também esteve bem. Às vezes é deixar os resultados falarem por si", analisou.

"Classe". É o que, na sua ótica, é necessário para reverter o momento atual que vive o futebol português - de constante troca de acusações entre clubes e polémicas nas arbitragens.

"O palavreado do futebol está a tirar a classe a todos os resultados do futebol português. E a rivalidade está a chegar a um nível quase de ódio. Seria necessário que todos tivessem mais classe e melhores comportamentos. E um controlo emocional para a classe dos cargos que ocupam, seja ele qual for", diagnosticou.

Notícias ao Minuto

"Não foi preciso vídeo-árbitro para ver a cabeçada de Zidane"

As novas tecnologias são uma realidade cada vez mais iminente no futebol. Em Portugal, o vídeo-árbitro vai estar presente nos jogos da I Liga já na próxima temporada. Para o treinador português essa é uma ferramenta que pode ser vantajosa, desde que não venha "adulterar o futebol"

"Eu sou a favor de que as novas tecnologias podem melhorar, não só o futebol mas tudo na vida. Agora dizer que o futebol precisa das novas tecnologias…Os erros acontecem em todo o lado e os estádios estão cheios. Tal como o vinho e a droga, tudo o que é demais não presta. O futebol estar dependente das novas tecnologias é um absurdo. No entanto, são válidas desde que não venham adulterar o futebol", opinou.

"A mediatização tornou os lances mais visíveis. Qualquer pessoa põe uma imagem no Facebook que 90% das pessoas não viram. Não foi preciso vídeo-árbitro para ver a cabeçada do Zidane na final do Mundial 2006. Os árbitros têm dois olhos e a televisão tem milhares de olhos, além disso, o espectador do sofá tem uma visão privilegiada. Estamos no futebol das queixinhas uns contra os outros e isso está a tornar-se um hábito, finalizou.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser