Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2020
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

I Liga - Os melhores tentos apontados na última jornada

Mais vídeos

"Sporting-FC Porto com Jardel? Jogaria na equipa de Sérgio Conceição"

O antigo avançado de FC Porto e Sporting lançou os dados para o Clássico de hoje, sem esquecer o duelo das Antas de 2002 e deixando um curioso pedido a Frederico Varandas e Pinto da Costa.

"Sporting-FC Porto com Jardel? Jogaria na equipa de Sérgio Conceição"

O nome de Mário Jardel está enraizado na memória de portistas, sportinguistas e, talvez, de todos os amantes do futebol português que se habituaram, semana após semana, a ver os ciclos infernais de remates certeiros do avançado brasileiro às balizas adversárias.

Em dia de Clássico entre dragões e leões, o Desporto ao Minuto decidiu partir à conversa com Super Mário, que pisou as Antas entre 1996 e 2000, para, dois anos, volvidos entrar por Alvalade e contribuir de maneira decisiva para o título de campeão da formação de László Bölöni.

Já no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e de partida para a cidade brasileira de Fortaleza, Mário Jardel, hoje com 47 anos, começou logo por dizer que "ia ver o jogo pela televisão", para depois nos deixar algumas nuances do que antevê para este Clássico da 4.ª jornada da I Liga.

"Acredito que seja um jogo difícil para as duas equipas, todavia, com maior nível de dificuldade para o Sporting, porque o FC Porto tem uma equipa mais sólida e mecanismos de jogo mais bem enraizados. Agora, mantenho a opinião de que falamos de um Clássico de resultado imprevisível", começou por dizer o ex-futebolista, antes de analisar o facto desta partida se jogar sem público (por força das restrições sanitárias). 

"O FC Porto sairá com maior favoritismo para este Clássico pelo facto de se jogar sem público. A equipa de Sérgio Conceição jogará ainda mais solta e com maior confiança. Acredito também que, se o Sporting perder, será um duro revés para os leões, até porque, sem competições europeias, ter um deslize tão prematuro no campeonato, e logo para um rival direto, torna a ferida da recuperação ainda mais difícil de sarar". 

Questionado por quem jogaria Jardel se tivesse opção de rumar a um dos dois conjuntos no dia de hoje, o antigo avançado começou por ser politicamente correcto, para depois, sim, pender a resposta para a equipa de Sérgio Conceição.

"Jogava 45 minutos no Sporting e outros 45 minutos no FC Porto (risos), mas certamente, e pela forma como os dois treinadores atuam, apostaria na equipa de Sérgio Conceição. O FC Porto chega mais facilmente à area, e assim fica mais fácil fazer golo. O Jardel precisa de área e golos para alimentar o seu futebol", asseverou Jardel, para, depois, viajar na máquina do tempo, e relembrar o FC Porto-Sporting que ainda hoje lhe está na memória. 

"Não me consigo esquecer do Clássico que se realizou no estádio das Antas, e que terminou 2-2 (12 janeiro de 2002), em que fiz um golo e acabei expulso. Estava a jogar contra o meu ex-clube e isso ficou-me marcado", revelou o brasileiro, que agora se dedica ao scouting. 

"De momento trabalho diretamente com os jogadores. Não me importava de ser olheiro pelo Sporting ou pelo FC Porto no Brasil, ou então treinador de avançados. Porém, infelizmente, ainda não apareceu a oportunidade. De momento, faço o que sei melhor: captar jogadores e vender", referiu, deixando, posteriormente, uma certeza.

"Claro que aceito o convite do primeiro que o fizer (Frederico Varandas ou Pinto da Costa). Alcancei marcas extraordinárias nesses dois clubes e acredito que merecia ter uma oportunidade no Sporting ou no FC Porto", ressalva Mário Jardel, enaltecendo, segundos depois, os feitos que alcançou dentro de campo e comparando-os, inclusive, com os números que os avançados da atualidade contabilizam.

"Hoje, se estivesse a jogar, estaria a ganhar um salário estrondoso e seria vendido por valores estratosféricos. Hoje em dia, não há ninguém com características semelhantes às minhas no futebol português e, à escala mundial, só o Lewandowski se equipara. A eficácia dos avançados hoje é muito pior e há jogadores que fazem 15 ou 20 golos a ser vendidos por 50 milhões. Eu fui vendido ao Galatasaray por 20 milhões, por isso, equiparando ao futebol de hoje, seria vendido por 200 milhões".

Para finalizar esta conversa convidámos Mário Jardel a comentar o fim de reinados de Luís Filipe Vieira e Pinto da Costa que, ao que tudo indica, viajam para os últimos mandatos de presidência nos respectivos clubes. 

"Mudança de ciclo no futebol português? Acredito que o FC Porto só vai mudar quando Pinto da Costa morrer. Falamos de um dos melhores presidentes do mundo. O Luís Filipe Vieira ganhou alguns títulos, todavia não consigo falar do Benfica, porque não estive lá dentro. Eu acredito que o sucessor, tanto de Vieira como Pinto da Costa, será escolhido seguindo a escola dos seus antecessores. As características de liderança de quem vem seguirá o mesmo padrão de Vieira e Pinto da Costa", rematou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório