Timor inspira jazz experimental de vocalista norte-americana

Sonhos de Timor-Leste e um cabaz de experiências musicais do continente asiático influenciam o álbum mais recente da compositora e cantora norte-americana Jen Shyu que faz uma viagem às raízes da sua família timorense.

© DR
Cultura Música

Filha de pai taiwanês e mãe timorense, Shyu já no passado tinha mergulhado no mundo lusófono, com a poesia da brasileira Patricia Magalhães a marcar o álbum "Inner Chapters", maioritariamente cantado em português.

PUB

"Sounds and Cries of the World" é o trabalho mais recente de Jen Shyu, uma vocalista de jazz experimental e uma multi-instrumentista que canta em inglês, coreano, indonésio e tétum - é fluente em mandarim, português e espanhol.

Em entrevista à Lusa, Jen Shyu recordou a sua primeira visita a Timor-Leste, em 2010, os sonhos que a marcaram durante essa estadia de três meses - "escrevia-os de manhã, ao acordar" - e a influência das viagens musicais que tem feito.

"Tornou-se um aspeto central do meu processo criativo. Estudo música tradicional e tradição como compositora que respeita e honra essa linguagem. Cada vez mais músicos de jazz mergulham nesta linguagem tradicional, que incorporam na sua sonorização", explicou.

Sobrinha de um dos maiores empresários de Timor-Leste, Tony Jape, a artista norte-americana recorda o primeiro contacto com as raízes da sua mãe.

"Até essa visita conhecia pouco de Timor-Leste. A minha mãe apenas me falava da beleza, da paz, da tranquilidade da sua infância em Díli, de onde saiu com 14 anos, cerca de 1959 ou 1960", contou.

Apesar de ter estado a estudar em Taiwan, a mãe só conheceria o pai, taiwanês, quando ambos estavam a estudar nos Estados Unidos, país onde ficaram a residir e onde Jen Shyu nasceu.

"Só comecei a saber mais de Timor quando terminei a universidade e comecei a interessar-me por estas explorações das minhas próprias raízes e, ao mesmo tempo, das explorações destas músicas tradicionais", explicou.

Praticamente todos os temas do álbum são diretamente influenciados pela sua visita a Timor-Leste, ecoando os seus sonhos e os de uma artista timorense, a Kiki Zelara, que integra o coletivo artístico timorense Arte Moris.

A influência timorense no álbum estende-se à capa que é uma pintura de Maria Madeira, uma artista timorense residente na Austrália e reflete até passagens do extenso relatório da Comissão de Acolhimento Verdade e Reconciliação (CAVR) timorense.

"Song for Naldo" é um dos exemplos mais poderosos, recordando na letra a tortura a que os timorenses foram sujeitos e retratando os sonhos que Jen Shyu construiu, de forma quase orgânica, compondo letra e música ao mesmo tempo, ao som do Gatkim, uma "Guitarra da Lua" taiwanesa.

Uma fusão que inclui uma canção tradicional que aprendeu a "cantar em tétum com o mestre Marçal" nos arredores de Aileu, a sul de Díli.

A sua música é experimental e eclética, vertendo as múltiplas influências que têm marcado a sua vida e os efeitos das investigações e pesquisas que realizou durante viagens a vários países.

O componente lírico mistura-se entre o surreal e o imaginário, com a música a soar a improviso e a beneficiar de músicos que se adaptam a esse estilo: Ambrose Akinmusire na trompeta, Mat Maneri no violino, Thomas Morgan no baixo e Dan Weiss na bateria.

Aplaudida pela crítica - o The Guardian descreve-a como um "fenómeno notável", Jen Shyu tem já um extenso trabalho de estúdio, com vários álbuns de lançamento digital, a que se somam vários projetos especiais.

Vencedora do Premio Doris Duke Impact Award em 2014 e antigo membro da banda Five Elements de Steve Coleman, Jen Shyu quis no novo projeto recuperar música tradicional de Timor-Leste, Indonésia, Coreia e Taiwan.

Uma viagem introspetiva às suas raízes com influências do que foi aprendendo, desde o folk taiwanês conhecido como Hengchun minyao, ao shochang, um tipo de performance que envolve canto e fala.

Música tradicional timorense, os contos musicais pansori, da Coreia do Sul - acompanhados de gayageum, um instrumento local de 12 cordas - e a música indonésia gamelan somam-se na experiência sonora da artista.

Aspetos que transformam o jazz que Jen Shyu continua a considerar o fio condutor do seu trabalho.

"Sei que não é uma música fácil. Mas não estou interessada em fazer coisas fáceis ou normais. Como artista chegar a quem és é difícil mas o que pretende é chegar à essência de quem sou. Esta é uma jornada musical mas também uma jornada pessoal".

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser