Meteorologia

  • 16 ABRIL 2024
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 26º

Exposição em Madrid antecipa reabertura do CAM da Fundação Gulbenkian

A reabertura do Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian (CAM), prevista para setembro, é simbolicamente antecipada este mês em Madrid com uma exposição que reúne obras de 16 mulheres artistas, anunciou a Embaixada de Portugal na capital espanhola.

Exposição em Madrid antecipa reabertura do CAM da Fundação Gulbenkian
Notícias ao Minuto

18:05 - 04/03/24 por Lusa

Cultura Madrid

A exposição 'Um olhar de Leonor Antunes sobre a Coleção do CAM', na residência oficial do embaixador de Portugal em Madrid, é inaugurada esta semana, no âmbito da terceira edição da Artists Join the Embassy, uma iniciativa da embaixada portuguesa que decorre anualmente como uma programação paralela à da Feira de Arte Contemporânea ARCOmadrid.

Este ano, a Artists join the Embassy resulta de uma colaboração entre a Embaixada de Portugal e o Centro de Arte Moderna Gulbenkian, numa exposição que reúne a obra de 16 artistas que fazem parte da coleção da CAM (Amélia Toledo, Ana Hatherly, Ana Vieira, Helena Almeida, Isabel Carvalho, Isabel Laginhas, Leonor Antunes, Lourdes Castro, Lúcia Nogueira, Luísa Cunha, Maria António Siza, Maria Helena Vieira da Silva, Maria José Oliveira, Salette Tavares, Sara Bichão e Túlia Saldanha).

"Em 2024, Artists join the Embassy transforma-se assim numa pequena mostra da exposição que inaugurará a reabertura do CAM - Centro de Arte Moderna Gulbenkian de Lisboa em 2024", segundo um comunicado da embaixada portuguesa em Madrid.

O Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian, em Lisboa, abre ao público a 20 de setembro, após uma remodelação da autoria do arquiteto japonês Kengo Kuma.

De acordo com a Fundação Calouste Gulbenkian, o renovado edifício do CAM reabrirá portas com um projeto da artista visual Leonor Antunes, a exposição "Linha de Maré" e uma outra dedicada ao artista Fernando Lemos (1926-2019).

Encerrado desde 2020, o CAM, inaugurado em 1983, alberga uma coleção com cerca de 12 mil obras de arte moderna e contemporânea, predominantemente portuguesa.

A exposição de Madrid é oficialmente inaugurada na quarta-feira, num evento em que os ministros da Cultura de Portugal e de Espanha (Pedro Adão e Silva e Ernest Urtasun) apresentarão também uma programação cultural conjunta dos dois países para assinalar 50 anos de democracia na Península Ibérica.

'Portugal-Espanha: 50 anos de democracia' é um programa cultural que decorrerá entre setembro de 2024 e setembro de 2025 e "celebra as transições democráticas em ambos os países e o papel dos agentes culturais no processo", segundo a embaixada portuguesa em Madrid.

Esta programação conjunta a propósito dos 50 anos do 25 de Abril foi acordada na última cimeira ibérica, em março de 2023, tendo deste então os dois países trabalhado num calendário de eventos que será agora apresentado.

O 25 de Abril de 1974 representou "mais do que uma mudança de regime político: a liberdade teve repercussões nos mais diversos âmbitos da vida" e esta programação conjunta de Portugal e Espanha terá como foco especial "a contribuição da cultura e das artes para o processo de democratização", segundo a mesma informação divulgada pela embaixada portuguesa em Madrid.

As iniciativas desta semana na embaixada de Portugal decorrem em paralelo com a Feira de Arte Contemporânea ARCOmadrid, que arranca na quarta-feira.

A 43.ª ARCOmadrid contará com 205 galerias, de 36 países, incluindo 16 portuguesas.

Leia Também: Exposição em Lisboa revela desenhos inéditos de José Luís Tinoco

Recomendados para si

;
Campo obrigatório