Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Espólio do artista Fernando Calhau doado à Fundação Gulbenkian

O espólio do artista Fernando Calhau (1948-2002) foi doado à Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian, onde a documentação será inventariada e disponibilizada ao público, anunciou hoje a entidade.

Espólio do artista Fernando Calhau doado à Fundação Gulbenkian
Notícias ao Minuto

15:29 - 09/04/21 por Lusa

Cultura Arte

A documentação reunida neste espólio "vai permitir aprofundar o percurso artístico de Fernando Calhau, um artista singular, autor de uma obra única no contexto artístico português, e amplamente representado" na Coleção do Centro de Arte Moderna com 695 obras, entre pintura, escultura, desenho, fotografia e gravura.

A proposta de doação foi apresentada pelo artista Rui Chafes, herdeiro legal de Fernando Calhau, "imediatamente aceite pela Fundação Gulbenkian", acrescenta o comunicado.

À luz desta documentação, "será possível também pesquisar os vários níveis de reflexão artística que manifestou desde os primeiros trabalhos e exposições, até à derradeira fase da sua produção", assinala a Gulbenkian, que, poucos meses antes da morte do artista lhe dedicou, no Centro de Arte Moderna (CAM), a exposição 'Work in Progress', com curadoria de Delfim Sardo.

Numa entrevista publicada no catálogo dessa exposição, o artista sublinhava a importância da coerência conceptual do seu trabalho, da continuidade e do rigoroso sentido das séries que produzia.

"A documentação agora reunida será fundamental para compreender e contextualizar este esforço do artista que dizia trabalhar ´sem nada na manga e sem rede´", recorda a entidade, sobre Fernando Calhau.

À medida que for sendo inventariado, este espólio será progressivamente disponibilizado ao público na Biblioteca de Arte, servindo de apoio à investigação das obras do artista na Coleção do CAM e ao estudo de investigadores, curadores, críticos, nacionais e estrangeiros.

Em 1973, Fernando Calhau licenciou-se em Pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, estudou na Slade School of Fine Art, em Londres, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, e estudou gravura com Bartolomeu Cid dos Santos.

Realizou a primeira exposição individual em 1968, na Cooperativa Gravura, em Lisboa.

Com uma obra que seguiu a linha da arte conceptual e minimalista, realizou obras monocromáticas de grande depuração formal, utilizando o filme super8, vídeo, e fotografia, e, a partir dos anos 1980, o ferro e o néon azul, em obras como 'Timeless' (1994), onde a palavra escrita assume papel determinante.

Fernando Calhau fundou e dirigiu o Instituto de Arte Contemporânea entre 1997 e 2000.

Leia Também: Helena Almeida e Mário Cesariny em exposição em Coimbra

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório